Prefeitura de SP quer instalar 25 novas faixas exclusivas para ônibus

Previsão é que as obras comecem na segunda quinzena de dezembro; serão 38 km de vias

São Paulo

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), vai instalar mais 38 quilômetros de faixas exclusivas de ônibus em 25 vias de todas as regiões da cidade. Desta vez, a administração vai realizar audiências públicas para discutir com a população a melhor forma de implementar a medida.

Rua da Cantareira, na região central da capital, que deverá ganhar uma faixa exclusiva para os ônibus; prefeitura não diz quanto irá investir - Rivaldo Gomes/Folhapress

Segundo a prefeitura, as novas faixas terão o mesmo padrão das que já existem hoje, com a pintura da pista e sinalização de placas. A previsão é que as obras comecem após as audiências públicas, na segunda quinzena de dezembro.

A prefeitura não disse quanto pretende investir para construir as novas faixas exclusivas. Mas afirmou que a obra será feita utilizando os contratos de manutenção da sinalização já vigentes na CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Segundo a prefeitura, não haverá remanejamento nem exclusão de faixas já existentes. “O que será feito é a implantação de novas faixas expandido a rede para 550 quilômetros”, disse a gestão Covas em nota.
Antes de iniciar as obras, a prefeitura vai fazer quatro audiências públicas, uma em cada região da cidade, para discutir com a população as vias que receberão as faixas exclusivas.

Para chegar às 25 vias que poderão receber as obras, a prefeitura disse que técnicos da SPTrans (São Paulo Transporte) fizeram um estudo levando em consideração alguns critérios, entre eles a quantidade de ônibus que passam na via por hora e a velocidade média dos coletivos. Uma delas é a rua da Cantareira, na região central, que já recebe um volume grande de carros, ônibus e caminhões.

Segundo a gestão Covas, cerca de 320 mil passageiros serão beneficiados por dia com as novas faixas exclusivas de ônibus na cidade, sendo que a maioria deles são da zona oeste.

Cantareira

Comerciantes e passageiros do transporte público que da rua da Cantareira, na região central de São Paulo, divergem sobre a instalação de faixa exclusiva de ônibus na via, como sugere a gestão Bruno Covas (PSDB).

A rua é o endereço de um dos mais badalados pontos turísticos da capital, o Mercadão da Cantareira, que atrai milhares de pessoas todos os dias, principalmente aos fins de semana.

Para os comerciantes, o trânsito na rua da Cantareira vai ficar mais confuso do que já é, com carros particulares, ônibus e caminhões que descarregam produtos no mercado. Além disso, há muitos estacionamentos, e a entrada e saída de carros vai prejudicar a passagem dos ônibus na faixa exclusiva.

“Do jeito que está já não tem condições. Imagina se colocar uma faixa só para ônibus? É um absurdo”, afirmou o comerciante Samir Mitre, 44 anos.

Já os passageiros comemoraram a possível mudança. “Seria maravilhoso se tivesse uma faixa exclusiva de ônibus aqui. No fim do dia aqui enche de caminhão e ninguém anda”, afirmou a decoradora Claudia de Mendonça, 48 anos.

Corredores

O engenheiro Sergio Ejzenberg, mestre em transportes pela Escola Politécnica da USP, disse que a iniciativa da prefeitura de fazer audiências públicas para ouvir as sugestões e reduzir os problemas é uma medida correta, pois as faixas exclusivas de ônibus geram muito impacto no trânsito.

Porém, segundo ele, o que realmente melhora a qualidade do transporte coletivo são os corredores de ônibus. “Os corredores não interferem na vida das pessoas porque ficam no canteiro central das avenidas, dando mais velocidade aos ônibus e segurança aos passageiros e pedestres”.

Segundo Eizenberg, as faixas exclusivas à direita geralmente provocam transtorno porque interferem na entrada e saída de veículos dos imóveis, sejam particulares ou comerciais.

O especialista também defendeu a instalação das faixas em vias com grande circulação de ônibus para não dar a impressão que o local está vazio.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.