Passageiros reclamam de falhas nos cartões do Bilhete Único

Principal queixa é com relação aos novos modelos, que estão sendo bloqueados nas catracas

Elaine Granconato
São Paulo

Passageiros do transporte público coletivo na capital reclamam de falhas constantes no Bilhete Único, principalmente nos cartões mais novos emitidos pela SPTrans, empresa responsável pela gestão do sistema no município.

Usuários do Bilhete Único aguardam atendimento em posto da SPTrans na rua Boa Vista, no centro; segundo a prefeitura, 6.000 bilhetes foram bloqueados por causa de uma “ação indevida em garagem" - Rivaldo Gomes/Folhapress

Na extensa lista de queixas, os usuários dizem que o Bilhete Único, mesmo com crédito colocado pela empresa, está sendo bloqueado nas catracas dos ônibus municipais e do metrô, com mensagens ao passageiro no visor: “cartão com falha” ou “queima de chip”.

Há ainda casos de cartões bloqueados ou inválidos, ao serem passados nas catracas de ônibus e até mesmo metrô, segundo os passageiros ouvidos pela reportagem do Agora.

O universitário do curso de direito Vinicius de Souza Bricola, 22 anos, pegou o seu novo bilhete, categoria estudante, há menos de dois meses. “Fui passar na catraca do metrô (estação Faria Lima, linha 4-amarela) dias atrás e, para minha surpresa, não consegui. Isso porque já troquei o cartão três vezes só neste ano pelo mesmo motivo: falha no cartão ou queima de chip”, afirma o estudante.

E vai além o morador no Carrão (zona leste), que trabalha no Itaim Bibi (zona oeste) e estuda na avenida Paulista (região central). “Desde 2015, até agora, foram oito cartões cancelados, sete por falha no sistema. A qualidade do bilhete entregue à população é para se indignar”, diz Bricola.

Bloqueio

Com o cartão bloqueado desde o dia 23 de outubro e sem saber por qual razão, a auxiliar administrativa Maria Caroline Alves, 26 anos, que trabalha na zona sul, está tendo que pagar a passagem de ônibus (R$ 4,30) em dinheiro, até que o problema seja solucionado.

“Peguei o bilhete em julho. A minha colega de trabalho teve o mesmo problema e perdeu metade do dia para resolver na SPTrans, no centro, outro dia, com uma fila de umas 200 pessoas. Só posso ir de sábado”, afirma Maria Caroline.

Linha 4-amarela

Há um ano, o Bilhete Único da estudante Laura Gonçalves Martins, 18 anos, que mora na Penha (zona leste), não passa nas catracas da linha 4-amarela do metrô, composta por dez estações.

O problema ocorre principalmente na parada São Paulo-Morumbi, onde Laura, junto do pai, costuma ir ver seu time jogar no estádio do Morumbi (zona este).

“Na linha amarela trava. Alguns funcionários liberam a catraca, mas outros me obrigam ir até o guichê do Bilhete Único para tirar o extrato de crédito”, conta Laura, que no fim do ano passado fez a troca do cartão, mas de nada adiantou.

Além de não funcionar na linha amarela, o mesmo bilhete parou de recarregar os créditos desde setembro. “Estava na estação Faria Lima e fui apenas recarregar o cartão, sem sucesso”, diz a aluna do curso tecnológico de análise de desenvolvimento e sistemas.

Laura foi na última sexta-feira (1º) ao posto central da SPTrans, no centro velho histórico da cidade, para resolver o problema. Após passar pela triagem e outros dois atendimentos internos, saiu com a promessa que o cartão estava zerado para uso. “Vou conferir depois”, diz.

No posto central, onde várias pessoas aguardavam atendimento, uma usuária do transporte público reclamava que o cartão dela também apresentava problemas nas catracas da linha 2-verde do metrô.

Resposta

A SPTrans, gestão Bruno Covas (PSDB), afirma, em nota, que cerca de 6.000 cartões foram bloqueados dia 24 de outubro, “por causa de ação indevida de uma garagem de ônibus no envio de dados para o sistema”.

No caso dos bloqueios, os passageiros devem levar o cartão ao posto central de atendimento da SPTrans (rua Boa Vista, 274/mezanino), de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

No caso do passageiro Vinicius de Souza Bricola, a SPTrans diz que ele teve “quatro cartões com o chip danificado”. A origem do problema não foi detectada. No caso da usuária Rosângela Ramos de Lima, a SPTrans diz a “integração está funcionando normalmente”.

O Metrô de São Paulo, gestão João Doria (PSDB), diz, em nota, que os validadores de cartões do Bilhete Único de todas as estações do Metrô estão funcionando normalmente. Problemas pontuais podem ocorrer.

Já a ViaQuatro, concessionária responsável pela linha 4-amarela, diz que, caso um bilhete seja rejeitado nos bloqueios, a recomendação é procurar um posto da SPTrans.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.