Descrição de chapéu Zona Norte

Polícia investiga morte de jovem durante arrastão em bloco de Carnaval em SP

PM afirma que corpo de rapaz não apresentava sinais de violência; parentes questionam a afirmação

São Paulo

A Polícia Civil investiga a morte de Vinicius Santos Müller, 20 anos, durante um suposto arrastão em um bloco de Carnaval no domingo passado (23), na Freguesia do Ó (zona norte da capital paulista).

Segundo a polícia, nenhuma marca de violência foi encontrada no corpo do jovem. Parentes da vítima, no entanto, questionam a informação com base em fotos de hematomas no corpo do rapaz. 

Foi a segunda morte registrada pela polícia no carnaval. No mesmo dia, na República (centro), o funcionário público Pedro Henrique de Sá Gonçalves da Silva, 28, morreu após ser vítima de latrocínio (roubo com morte), por volta das 22h30.

Vinicius Santos Müller, 20 anos, morreu após um arrastão, ocorrido durante um bloco de Carnaval, domingo (23) na Freguesia do Ó (zona norte da capital paulista) - Arquivo Pessoal

Segundo relatado à polícia por parentes de Müller, que estavam com ele no bloco, suspeitos não identificados iniciaram um arrastão e pegaram objetos dos foliões, incluindo o boné da vítima. Por isso, policiais militares foram até o local, quando a multidão se dispersava correndo.

Os parentes que fugiram da confusão, notaram que o rapaz ficou para trás e voltaram. Müller teria sido encontrado no largo da igreja matriz de Nossa Senhora do Ó, segundo a família, e teria sido vítima de agressão. 

Socorristas levaram o jovem até uma tenda de atendimento médico, onde tentaram reanimá-lo. Porém, ele acabou morrendo no local. A causa da morte ainda não foi confirmada. A família disse que Müller não tinha nenhum problema de saúde. 

O caso foi registrado como “morte suspeita” no 13º DP (Casa Verde).

Parentes ouvidos pela reportagem afirmam que foram prestar depoimento no 28º DP (Freguesia do Ó), na tarde desta sexta-feira (28), para realização de um boletim de ocorrência complementar. Ao final dos depoimentos, disseram que a polícia não lhes deu cópia do documento.

A informação de que houve um documento complementar foi negada pela Secretaria da Segurança Pública. A pasta, da gestão João Doria (PSDB), confirmou que o caso é investigado por meio de inquérito policial instaurado pelo 28º DP.

"A equipe da investigação analisa imagens de câmeras de segurança e aguarda o resultado do laudo pericial, que está em fase de elaboração", diz trecho de nota. 

A Polícia Militar também acompanha a investigação. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.