Carreta que atuou em Brumadinho chega em Guarujá para apoiar vítimas da chuva

Veículo conta com cozinha e lavanderia industriais; serviços serão oferecidos à população e bombeiros

São Paulo

Uma carreta com lavanderia e cozinha industriais, que auxiliou vítimas e bombeiros após o rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), no início do ano passado, chegou em Guarujá (86 km de SP) na manhã desta quinta-feira (5).

A cidade do litoral paulista foi a mais afetada por deslizamentos de terra, ocorridos durante fortes chuvas que caíram na região na madrugada de terça-feira (3), provocando mortes e desaparecimentos. Das 28 mortes confirmadas até esta quinta na Baixada Santista, 23 foram no Guarujá, segundo o Corpo de Bombeiros. As demais ocorreram em Santos (3) e São Vicente (2). São 42 desaparecidos.

Segundo Cristiane Maximiano, coordenadora da unidade móvel, o veículo tem capacidade para lavar cerca de 40 quilos de roupas por hora, além de disponibilizar até mais de 1.500 refeições por dia.

Moradores do Guarujá (86 km de SP) buscam refeições em uma carreta com lavanderia e cozinha industriais, que também auxiliou vítimas e bombeiros após o rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho (MG), em janeiro do ano passado - Adra Brasil/ Divulgação

Entre o meio-dia e às 17h desta quinta, o veículo lavou aproximadamente 100 quilos de roupas e ofereceu 350 refeições para vítimas do deslizamento de terra na cidade do litoral.

A carreta pertence à ONG Adra Brasil, ligada a Igreja Adventista do Sétimo Dia. As atividades da instituição são mantidas através de doações.

“Isso é pouco, pois atendemos somente à população, até o momento. Mas a partir de amanhã [sexta-feira (6)] vamos também disponibilizar os serviços aos bombeiros”, explicou Cristiane.

Segundo a coordenadora, as duas lavadoras e duas secadoras industriais da carreta conseguem retirar a lama que impregna as roupas de bombeiros e voluntários.

Além disso, são usados produtos antibactericidas para descontaminar peças de roupa, que são secadas em uma temperatura de 70 graus centígrados. O veículo deve ficar no Guarujá entre cinco e 15 dias, dependendo da demanda.

Já a cozinha conta com um fogão industrial no qual podem ser feitas 500 refeições no café da manhã e a mesma quantidade de almoços e jantares.

Em Brumadinho, acrescentou Cristiane, o veículo permaneceu entre os dias 4 e 19 de fevereiro de 2019, período em que foram lavadas cerca de cinco toneladas de roupa e oferecidos três mil jantares. Na ocasião, os almoços eram oferecidos pela Vale.

 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.