Idosos continuam pelas ruas em SP, mesmo com apelo para não sair

Grupo mais vulnerável ao Covid-19 ainda mantém a rotina; psicóloga diz que não é teimosia

São Paulo

Apontados como principal grupo de risco do coronavírus, alguns idosos ainda circulavam pelo centro da capital paulista nas ruas, bares, mercados e comércios, ainda abertos, como constatou o Agora entre o fim da manhã e o início da tarde deste domingo (22).

No sábado, o governador João Doria (PSDB) decretou quarentena no estado de São Paulo, a partir de terça-feira (24), até o próximo dia 7. Com a medida, somente serviços essenciais, como mercados e farmácias, poderão permanecer abertos desde que sigam medidas sanitárias, como disponibilizar álcool em gel.

A reportagem circulou pelos bairros de Santa Cecília, República, Anhangabaú e a região da avenida Paulista. Os locais estavam com um fluxo muito inferior de pessoas que o habitual. Porém, os idosos se destacaram. Em todos os pontos em que a reportagem percorreu havia pessoas da terceira idade, algumas com máscaras, em bares, farmácias e mercados.

A psicóloga Bárbara Sebastião diz que os idosos que vivem sozinhos, independentemente do coronavírus, já contam com um um núcleo de amizade nas ruas.

"Os idosos que estão em casa muitas vezes são pessoas já solitárias. Eles costumam frequentar praças para jogar dominó, bares, ou ir a eventos religiosos. Quando isso não existe, eles ficam perdidos", diz.

Casal observa o aviso de fechamento em portão do parque Ibirapuera, na zona sul de SP; idosos devem ser os mais preservados na quarentena - Bruno Ruas - 21.mar.20/Fotoarena/Agência O Globo

Bárbara acrescenta que os idosos "são excluídos" e, por isso, criam comunidades já estabelecidas. "Esta quarentena [decretada pelo governo de SP] reforça a solidão que eles já vivem."

A psicóloga acrescenta que a atitude dos idosos na quarentena "não é teimosia", pois parte dos que estão nas ruas "estava só em busca de algum local onde se sentem acolhidos".

Bárbara ainda diz que este é um momento para que as pessoas, com família, possam estreitar os laços e fortalecer a empatia. "Fiquemos juntos, aproveitar para ficarmos juntos e se cuidar."

Pandemia é momento de desafio, diz infectologista

A médica infectologista Keilla Mara de Freitas, do hospital Sírio Libanês, afirma que o Brasil "vive um momento de emergência".

"Aprendemos dia a dia com isso. Este momento é um desafio para a epidemiologia. Um evento desta magnitude e com essa velocidade [com que se espalhou] ocorrem pela primeira vez em nossa história."

O cardiologista Edmo Atique Gabriel, membro da Sociedade Internacional de Cirurgia Endovascular, diz que o Covid-19 "ainda é uma dúvida" com relação à letalidade. "Numa situação de pandemia, com um vírus circulante pouco conhecido [ainda] em termos de letalidade não sabemos como ele trabalha em nosso organismo para produzir os males que provocam a mortalidade", destacou.

Para os idosos são importantes três pontos: alimentação (três vezes ao dia), hidratação (cerca de dois litros de água, incluindo frutas) e o apoio, se possível, de familiares para que ajudem a fazer as compras.

Morador de rua, em frente à Igreja da Consolação, no centro; serviços serão remanejados - Alfredo Henrique/Folhapress

Prefeitura de SP remaneja atendimento para 3ª idade

A prefeitura, gestão Bruno Covas (PSDB), afirma que irá a partir desta segunda-feira (23) suspender os seguintes serviços para atendimento aos idosos: Creci (Centro de Referência da Cidadania do Idoso) e os CCINTERs (Centros de Convivência Intergeracional).

Os Núcleos de Convivência de Idosos também suspenderam todas as atividades coletivas e permanecerão abertos para receber os atendidos que eventualmente não tenham como ficar em casa.

"Os que comparecem ao serviço deverão ser orientados quanto às questões de higiene. Os Centros Dia para Idoso devem manter suas atividades, ficando suspensas todas as atividades coletivas", diz a nota.

Serviços mantidos são: de Alimentação Domiciliar para Pessoa Idosa, todos os Centros de Acolhida, os Centros de Acolhida Especial para Idosos, as Instituições de Longa Permanência para Idosos, os Serviços Especializado em Abordagem às Pessoas em Situação de Rua (SEAS).

"O município dispõe de 126 serviços com 14.172 vagas para a população idosa, sendo sete Centros de Acolhida Especiais para Idosos em situação de rua, com 702 vagas; 14 Instituições de Longa Permanência para Idosos, com 480 vagas; 16 Centros Dia para Idosos, com 480 vagas; 88 Núcleos de Convivência, com 12.110 vagas e 1 Centro de Referência da Cidadania do Idoso, com 400 vagas."

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.