Pais devem criar rotina em casa durante suspensão de aulas na crise do coronavírus

Acompanhar e estimular a realização de tarefas escolares é obrigação da família em quarentena

São Paulo

Com a suspensão das aulas por causa da pandemia do coronavírus, os pais terão que criar uma rotina de estudos para os filhos em casa. Os responsáveis também deverão aproveitar a oportunidade para estreitar os laços com as crianças, lembrando que não é férias.

"A gente precisa retomar algumas questões da oralidade, no contato social mesmo. As pessoas estão deixando de conversar e é uma bela oportunidade para aproveitar melhor o ambiente familiar", afirma o professor do curso de pedagogia da Universidade Presbiteriana Mackenzie Paulo Fraga da Silva.

Segundo Fraga, a rotina deve respeitar os horários que normalmente a criança segue no dia a dia. Caso estude pela manhã, então deverá ser reservado no período matutino um espaço para as atividades escolares. Como tarefas, o ideal é praticar aquelas que podem ser feitas em conjunto. O conteúdo deve seguir a mesma linha do que a criança está aprendendo na escola.

"Um bom texto literário é uma maneira adequada. Estimula o cérebro, desenvolve a leitura e também a interpretação", diz.

O professor do Mackenzie lembra que, de forma geral, as crianças já deveriam realizar tarefas fora da escola. "Os pais ou responsáveis devem estabelecer a rotina da casa e a família deve estar comprometida com isso. É, minimamente, o que se exige. É uma forma de cuidado", explica.

O infectologista Hélio Bacha, do Hospital Israelita Albert Einstein, afirma que não basta fechar escolas e que é preciso orientar o destino das crianças. "A casa pode ser até mais insalubre que o colégio", diz.

Também lembra que atividades nos condomínios, como gincanas e monitoria de crianças, com aglomeração de pessoas, devem ser evitadas.

Família não sabe onde deixar os filhos para conseguir trabalhar

Shirley Marcolino, diretora da CEI (Centro de Educação Infantil) Jesus Rei, na Cidade Tiradentes, na zona leste de São Paulo, conta que quase metade dos 123 alunos não compareceram às aulas, já nesta segunda (16), por conta do aumento de casos de coronavírus.

No entanto, a situação não é tão simples para muitos responsáveis pelas crianças, como é o caso de Simone Vieira, 43. "Se ela não for à creche, não posso trabalhar e vou ficar sem nada dentro de casa", diz.

Ela é mãe de Ana Beatriz, 3, que frequenta a unidade. Além da menina, Simone tem mais três filhos. Um deles já teve as aulas suspensas e o outro, aluno de uma escola estadual, deve receber orientações nesta semana.

No momento, Simone depende do trabalho como diarista para sustentar a casa. Ela adequa seu horário de acordo com o de entrada e saída da unidade onde sua filha estuda. Simone recebe por dia trabalhado.

Assim, sem a creche, precisará cuidar da filha, já que não tem condições financeiras para pagar uma babá.

A auxiliar administrativo Sara Kimberlly da Silva, 20, também está preocupada com o futuro do filho Daniel da Silva , 8 meses, que fica na CEI Juscelino Guimarães, também da Cidade Tiradentes.

"Fiquei sabendo que só haverá creche até a sexta. Eu trabalho na avenida Paulista e não sei o que vou fazer, porque não tenho com quem deixá-lo", afirma. "Ainda não falaram nada, mas acho que não seremos liberados do serviço. Minha única opção será pedir demissão", diz.

'Esforço não pode ser só da Educação'

O subsecretário de articulação da Secretaria Estadual da Educação, Henrique Pimentel, afirma que as famílias terão até a sexta-feira para se programar. Segundo ele, é preciso sensibilidade que extrapola o governo para encontrar uma solução.

"Esse esforço não pode ser só da Educação. É importante que os pais e responsáveis consigam dialogar com seus chefes. Tem também os arranjos com outros pais, com pessoas que não são de grupos de risco, para cuidar das crianças", diz Pimentel.

Segundo o subsecretário, novas medidas devem ser anunciadas na quinta (19), inclusive sobre a forma a alimentação dos alunos. Na rede estadual, cerca de 600 mil alunos são dependentes do Bolsa Família.

Rotina em casa

O que é importante

  • Escolas públicas e privadas desenvolverem estratégias para o acompanhamento das crianças à distância, pela internet

Importância da família

  • Pais são os responsáveis por criar e manter uma rotina em casa

Em casa

  • Criar uma rotina para as crianças
  • Reservar um espaço para estudo
  • Estimular a leitura de livros compatíveis com a faixa etária
  • Promover a leitura conjunta, com discussões sobre o que foi lido
  • Aproveitar a internet para fazer visitas virtuais a museus e locais de interesse
  • Usar o momento para estreitar os laços familiares, com conversas olho no olho

Exemplo:

  • Uma criança que estuda pela manhã
  • 8h - Acordar e tomar café
  • 9h - Fazer uma leitura
  • 10h - Discutir o que foi lido
  • 11h - Atividades lúdicas e educativas, como jogos de tabuleiro
  • Tarde deve ser usada como se faz normalmente, como tempo livre

No retorno às aulas

  • Descobrir o que cada aluno aprendeu durante o período
  • Identificar a etapa em que cada aluno está

Fonte: Paulo Fraga da Silva, professor do curso de Pedagogia da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.