Descrição de chapéu Grande SP

Homem morre após ser atropelado por moto aquática em São Bernardo do Campo, no ABC

Mulher de 26 anos, sem habilitação, foi presa em flagrante por provocar colisão em lago

São Paulo

André Felype Iglesias Gonçalves, 24 anos, morreu no final da tarde desta segunda-feira (27) em um acidente entre duas motos aquáticas, em um clube de São Bernardo do Campo (ABC). Uma mulher de 26 anos foi presa sob suspeita de ter causado o acidente. Ela foi indiciada por lesão corporal e homicídio culposo (sem intenção de matar), pois não era habilitada para guiar este tipo de veículo.

Imagens feitas por celular mostram a moto aquática da vítima seguindo à frente da pilotada pela mulher. Uma pessoa que os observa grita “olha gente, eles ‘tão’ no pega-pega”. Em seguida, o veículo guiado pelo rapaz, ocupado também por um vendedor de 34 anos, reduz de velocidade e para. A moto aquática da mulher, porém, continua em alta velocidade e atinge os dois homens logo em seguida, atropelando-os e fazendo-os cair na água.

Uma mulher estava na garupa a moto aquática guiada pela suspeita. Ambas não se feriram.

Segundo os bombeiros, o rapaz de 24 anos morreu no local do acidente, ocorrido em um clube da rua Avai. O vendedor que estava com ele na moto aquática fraturou a perna e, inconsciente, foi encaminhado ao Pronto-Socorro Central de São Bernardo, onde permanecia internado até a publicação desta reportagem. O estado de saúde dele não foi informado.

A condutora da moto aquática foi presa em flagrante. Segundo a polícia, ela guiava o veículo de um rapaz de 23 anos, que também prestou depoimento sobre o acidente.

Em depoimento, a suspeita afirmou ter tentado desviar a moto aquática que guiava da outra conduzida por Gonçalves, “mas não conseguiu evitar” a colisão. Ela pagou uma fiança de R$ 52.520 e vai responder ao caso em liberdade.

Pelo fato de o acidente ter ocorrido durante navegação, a Capitania dos Portos foi acionada e prosseguirá com as investigações iniciadas pela Polícia Civil.

O caso foi registrado pelo 3º DP de São Bernardo do Campo como homicídio culposo, lesão corporal culposa e localização/apreensão de objeto.

"É igual carro, precisa ter responsabilidade'", afirma bombeiro

O capitão Marcos Palumbo, porta-voz do Corpo de Bombeiros, destacou a necessidade de se ter habilitação para guiar moto aquática, como qualquer outro veículo. "Não dá para comprar uma moto aquática e já sair pilotando, sem conhecimento. É igual um carro, precisa ter muita responsabilidade."

Sobre o caso de São Bernardo, o bombeiro afirmou "ter ficado clara a falta de responsabilidade" dos condutores das motos aquáticas, como em manter distância mínima de 200 metros de banhistas.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.