São Bernardo do Campo volta a endurecer regras para tentar barrar Covid-19

Bares terão menos gente e fecharão mais cedo a partir de segunda-feira; cinemas e teatros voltam a ficar fechados

Fabiano Nunes
São Paulo

A Prefeitura de São Bernardo do Campo (ABC), gestão Orlando Morando (PSDB), voltará a endurecer regras para funcionamento de comércio e serviços, a partir de segunda-feira (30), por causa do aumento no número de casos de Covid-19.

Movimentação de pessoas em bar de São Bernardo; limite de visitantes terá de ser de até 50% da capacidade do estabelecimento - Rivaldo Gomes - 24.jul.20/Folhapress

O limite de ocupação de bares e restaurantes, por exemplo, cairá de 60% para 50%. O horário de fechamento passará das 23h para as 22h, assim como no comércio em geral. A medida ainda proíbe a apresentação de música ao vivo.

Cinemas e teatros voltam a ter suas atividades suspensas. Para as academias de ginástica, a redução para atendimento será no limite de 40% do público e em seis horas de funcionamento. Também serão vetadas práticas esportivas de contato e dança em pares e uso de chuveiros

Um decreto com as regras deve ser publicado neste sábado (28). A decisão ocorre após o Consórcio Intermunicipal Grande ABC confirmar um aumento de 21% na ocupação de leitos por Covid-19 nos hospitais da região, nas últimas três semanas.

Só em São Bernardo, a alta foi de 49% —passou de 139 internados pela doença no dia 13 de novembro para 208 nesta sexta (27).

Na última quinta-feira (26), o consórcio enviou um ofício ao governo João Doria (PSDB) pedindo a ampliação de leitos para atendimento dos pacientes da região do ABC.

“Intensificamos ações de fiscalização e restrição para impedirmos mais o avanço, sem impactos para atividade comercial”, diz o prefeito de São Bernardo. “Seguiremos monitorando de perto, caso necessite de mais restrições”, afirma.

O número de casos confirmados na cidade, segundo a gestão municipal, passou de 31.927, no último dia 13, para 33.790 nesta sexta, com alta de 5,8%. Já o total de mortes aumentou 4,8%, no mesmo período —foi de 988 para 1.036 óbitos.

Em resposta ao consórcio, a Secretaria de Estado da Saúde anunciou um repasse de R$ 8 milhões. “O objetivo é prorrogar o convênio com o município para assistência a casos de Covid-19 na região do ABC no Hospital de Urgência de São Bernardo”, diz a pasta em nota.

De acordo com a secretaria, a ação faz parte do esforço conjunto, com os municípios, que alia monitoramento e preparo de leitos para enfrentar a pandemia do novo coronavírus.

A pasta diz que mantém 62 leitos exclusivos para a doença no Hospital Mário Covas, em Santo André, e o Hospital de Diadema. Em ambas as unidades há leitos disponíveis para atendimento aos casos graves do coronavírus.

Além disso, a Secretaria destacou que possui um esquema especial de gestão de leitos hospitalares, para dar prioridade à internação de pacientes com quadros respiratórios agudos e graves, com suporte da Cross (Central de Regulação e Oferta de Serviços de Saúde) para as transferências.

O que muda na cidade a partir de segunda (30)

Bares e restaurantes

  • Número de frequentadores será reduzido de 60% para 50% da capacidade do estabelecimento
  • Horário de fechamento reduzido em uma hora, de 23h para 22h
  • Proibição de música ao vivo e de pistas de dança

Buffets, shoppings e comércio em geral

  • Público máximo reduzido de 60% para 50% da capacidade máxima
  • Fechamento será às 22h, e não mais às 23h

Academias de ginástica

  • Quantidade de pessoas será reduzida de 60% para 40% da capacidade
  • Atividades esportivas de contato e aulas de dança em pares estão suspensas
  • Uso de piscinas e vestiários está proibido

Cinemas e teatros

  • Voltam a ter as atividades suspensas

Serviço de valet

  • Fica suspenso

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.