Suspeito de matar a mulher após Palmeiras vencer Libertadores é solto pela Justiça

Em decisão, publicada nesta quarta-feira (24), 5ª Vara do Júri argumentou que houve demora para denúncia do Ministério Público

São Paulo

O vendedor de 34 anos, que estava preso suspeito de matar a mulher, em 31 de janeiro, supostamente após uma briga motivada por uma partida de futebol, saiu da cadeia na manhã desta quinta-feira (25), depois de a Justiça expedir alvará de soltura na véspera.

A empresária Érica Fernandes Alves Ceschini, 34, foi morta a facadas em casa, no bairro São Domingos (zona norte da capital paulista).

Antes de ser morta, segundo a polícia, ela comemorou a conquista da Copa Libertadores pelo seu time, o Palmeiras —o alviverde derrotou o Santos na véspera, na final do torrneio sul-americano. O marido, Leonardo Souza Ceschini, torcedor do Corinthians, confessou o crime na ocasião, também de acordo com a polícia, quando foi preso em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil.

A advogada Alessandra Martins Cordeiro, que defende o vendedor, não atendeu às ligações da reportagem e nem respondeu às mensagens enviadas pelo Agora.

Na decisão publicada nesta quarta, a juíza Maria Carolina Pimentel Saadi, da 5ª Vara do Júri, concedeu a liberdade provisório a Ceschini , alegando "excesso de prazo na prisão cautelar".

Como o Ministério Público solicitou que a Polícia Civil ouvisse novas testemunhas sobre o caso na segunda-feira (22), a magistrada entendeu ser inviável manter o marido preso.

"Verifico que já se encontra em muito ultrapassado o prazo para o oferecimento da denúncia [por parte do Ministério Público], razão pela qual a prisão do indiciado representa nítido constrangimento ilegal, devendo ser imediatamente relaxada", diz trecho da decisão.

A empresária Érica Fernandes Alves Ceschini, 34 anos, foi morta a facadas dentro de casa após uma suposta discussão com o marido, em 31 de janeiro, na zona norte de São Paulo. A briga teria ocorrido por causa da vitória do Palmeiras na final da Libertadores, no dia anterior, segundo a polícia - Reprodução/Facebook/Érica Fernandes

O promotor de Justiça Fernando Bolque afirmou nesta quinta ao Agora que não pretender entrar com recurso à decisão judicial, pelo fato de ainda “não existirem elementos” para denunciar o suspeito. “Já solicitei para a polícia promover diligências o mais rápido possível”, explicou.

Segundo ele, a polícia precisa ouvir um casal que estava com a vítima e com o vendedor horas antes do crime.

Além disso, o promotor também aguarda laudo pericial do celular de Érica, que pode ter mais provas sobre o caso. “Quando os elementos forem levantados, farei a denúncia e pedirei a prisão novamente.”

Bolque acrescentou que, com base em um argumento da defesa, de que o crime teria ocorrido por questões conjugais, ele pretende solicitar o acréscimo de feminicídio (quando a vítima é morta por ser mulher) no caso.

A irmã de Érica, a coordenadora pedagógica Aline Fernandes, 38 anos, soube da soltura por meio da imprensa. Em um primeiro momento, afirmou, a família ficou “consternada e indignada” ao saber que “um assassino confesso” estaria em liberdade.

“Mas depois, entendemos o que aconteceu e fomos tomados por um sentimento de medo, por ele estar em liberdade e poder tentar fazer algo contra nós e contra os filhos dele [gêmeos de 2 anos, mantidos sob a guarda da avó materna]”, afirmou.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.