Falta de documentos barra vacinação de quem tem comorbidade em UBS de São Paulo

Público com idade entre 55 e 59 anos começou a ser imunizado nesta quarta-feira (12) contra o novo coronavírus

São Paulo

Por falta de informação algumas pessoas com comorbidades ficaram sem tomar a primeira dose da vacina contra a Covid-19, nesta quarta-feira (12), primeiro dia em que o grupo com idade entre 55 e 59 anos passou a ser imunizado na capital paulista. A estimativa é a de que 900 mil pessoas nessa faixa etária sejam vacinadas em todo o estado, segundo a gestão João Doria (PSDB).

Para conseguir tomar a vacina, quem se enquadra neste perfil precisa provar seu estado de saúde por meio de relatório ou prescrição médica, com até dois anos de emissão, ou apresentar documentos simples, como o Bilhete Único Especial, ou ainda alguma comprovação, assinada por um médico, constatando o problema de saúde, como diabetes e hipertensão, por exemplo (veja lista completa abaixo).

Segurando exames comprovando seus índices glicêmicos, resultantes de sua diabetes, a professora Sandra Aparecida Bueno, 55 anos, saiu frustrada da UBS (Unidade Básica de Saúde) Doutor Hermínio Moreira, na Vila Alpina (zona leste), por volta das 9h20 desta quarta, após não conseguir ser imunizada.

“Mostrei meus laudos, mas a atendente falou que só poderia liberar minha vacina se eu entregasse uma receita de medicamento, coisa que eu não tenho, pois não guardo as receitas depois de comprar meus remédios”, afirmou.

Ela acrescentou que, por isso, pretende agendar uma consulta particular, para que uma receita, ou documento assinado por um médico, atestem sua doença. “Estou frustrada, pois tenho dois exames de glicemia, que provam que tenho diabetes e, mesmo assim, estou indo embora sem a minha primeira dose da vacina”, lamentou.

Sandra Aparecida Bueno tentou se vacinar contra o novo coronavírus nesta quarta-feira (12), na UBS Vila Alpina, na zona leste de São Paulo, mas vai precisar apresentar receita médica dos medicamentos que toma para conseguir ser imunizada no grupo que tem comorbidades - Rivaldo Gomes/Folhapress

A dona de casa Telma Tichonenko, 58, também saiu da mesma unidade de saúde sem ser imunizada, instantes depois da professora. Com hipertensão, ela levou à UBS três medicamentos usados regularmente, acreditando que isso bastaria para ser vacinada. “Estou muito triste, pois estou no perfil e não poderei tomar a vacina”, afirmou.

Acompanhando Telma, sua amiga Nicoly Farias, 25, acrescentou que ambas tentaram agendar uma consulta na unidade de saúde, para que a dona de casa conseguisse algum dos documentos exigidos para a vacinação de pessoas com comorbidades. “Mas nos falaram que, para ela ser atendida, só daqui três meses. Ela não tem dinheiro para pagar particular”, explicou.

Ainda na UBS da zona leste, o funcionário público Luiz Henrique Gutierrez, 56, levou um susto quando, por distração, pensou que não iria ser vacinado. Com diabetes, ele esqueceu seu comprovante no carro, para onde correu após constatar isso durante a triagem na unidade de saúde.

"Agora fico aliviado, sabendo que serei vacinado. Mesmo assim e, inclusive após a segunda dose, vou manter meus cuidados, com máscara e sem aglomerar. Quando tiver segurança mesmo, irei rever meus familiares e amigos, de quem sinto muita falta de estar junto", afirmou.

O movimento na unidade da Vila Alpina estava tranquilo durante a manhã, da mesma forma que na UBS Vila Santa Catarina, no Jabaquara, UBS Autódromo e na Etec (Escola Técnica Estadual) Irmã Agostina, todas na zona sul.

O contingente de pessoas com comorbidades, entre 55 e 59 anos, integra os novos grupos que começaram a ser vacinados desde a segunda-feira (10), quando teve início a distribuição de doses para pessoas com síndrome de Down, pacientes em terapia renal substitutiva e transplantados com idades entre 18 anos e 59 anos.

Nesta terça-feira (11) estava prevista a vacinação em grávidas em situação de risco e puérperas (mulheres que tiveram filhos há até 45 dias) com comorbidades. A imunização, entretanto, foi suspensa no estado de São Paulo após um pedido feito pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na segunda. Ela será retomada na próxima segunda-feira (17) no estado de São Paulo.

Resposta

A Secretaria Municipal da Saúde diz em nota que poderão ser vacinadas pessoas com comorbidades, de 55 a 59 anos que apresentem comprovante de condição de risco (exames, receitas, relatório médico, prescrição médica) contendo o CRM do médico. "Caso a comprovação não tenha seguido esses critérios, a vacina não é aplicada. A apresentação de medicamentos [caixas, frascos, embalagens] não é fator avaliativo para a vacinação", afirma.

A Supervisão Técnica de Saúde afirma ainda que, para a comprovação do diagnóstico de diabetes mellitus tipo 1 ou 2, não é possível realizar a triagem e diagnosticar a doença com a apresentação de apenas um exame isolado sem grandes alterações, "daí a necessidade de solicitar receitas ou relatório médico."

Tira-dúvidas sobre comorbidades

Quem pode se vacinar?

  • pessoa com deficiência permanente beneficiária do BPC com 55 a 59 anos;
  • pessoa com comorbidade de 55 anos a 59 anos


Quando começa a vacinação?

  • 11 de maio: pessoas com deficiência permanente;
  • 12 de maio: pessoas com comorbidades de 55 anos a 59 anos;
  • 14 de maio: pessoas com comorbidades de 50 anos a 54 anos

Como comprovar deficiência?

Será necessário comprovar que é beneficiário do BPC e também sua condição de saúde

comprovação do BPC:

  • comprovante de pagamento do BPC ou;
  • extrato do INSS ou;
  • extrato bancário ou;
  • CadÚnico (cadastro único para programas sociais) ou;
  • comprovação também pode ser feita mostrando cadastro nos aplicativos Meu INSS e Meu CadÚnico;

comprovante de condição de saúde:

  • gratuidade de algum serviço público (Bilhete Único Especial);
  • comprovante de que passa por centros de reabilitação;
  • carteirinha do serviço de saúde;
  • cadastro na UBS com número de prontuário;
  • laudo médico

Como comprovar comorbidades?

Algum comprovante do estado de saúde. São eles:

  • exames ou;
  • receitas ou;
  • relatório médico ou prescrição médica;
  • nos casos de obesos com IMC igual ou acima de 40 que não possuir nenhuma das comprovações acima, é possível fazer a avaliação na própria UBS antes da vacinação (uma equipe de enfermagem poderá pesar o paciente e avaliar o seu IMC);

Obs: todos os documentos deverão conter o CRM do médico emitidos no máximo há dois anos (documentos válidos são aqueles só emitidos a partir de maio de 2019 em diante)

Quais comorbidades estão incluídas?

  • diabetes: pessoas com diabetes mellitus
  • pneumopatias crônicas graves: pessoas com problemas pulmonares graves, tais como: DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica); fibrose cística; fibroses pulmonares; pneumoconioses (doença causada pela inalação de poeira); asma grave (pessoas que fazem uso recorrente de corticóides sistêmicos, internação prévia por crise asmática); displasia broncopulmonar
  • hipertensão arterial resistente (HAR): quando a pressão arterial fica acima das metas recomendadas mesmo com o uso de três ou mais remédios (anti-hipertensivos) de diferentes classes; ou pressão arterial que só fica controlada com uso de quatro ou mais anti-hipertensivos;
  • hipertensão arterial estágios 1 (leve) e 2 (moderada): pessoas com pressão arterial máxima (sistólica) entre 140 mmHg e 179 mmHg (14 a 17), e/ou mínima (diastólica) entre 90 mmHg e 109 mmHg (9 a 10), desde que associada a outra comorbidade ou lesão nos chamados órgãos-alvo tais como cérebro, coração, vasos sanguíneos, olhos e rins;
  • hipertensão arterial estágio 3 (grave): pessoas com pressão arterial máxima (sistólica) igual ou superior a 180 mmHg e/ou mínima (diastólica) igual ou superior a 110 mmHg (18 por 11 ou superior), independente da presença de lesão nos chamados órgãos-alvo tais como cérebro, coração, vasos sanguíneos, olhos e rins ou comorbidade;
  • insuficiência cardíaca: insuficiência com fração de ejeção (capacidade de bombeamento do coração) reduzida, intermediária ou preservada; em estágios B (lesão, mas sem sintomas), C (com lesão e sintomas atuais) ou D (casos mais graves, resistente a tratamentos), independentemente da classificação definida pela New York Heart Association, que estabelece escalas de sintomas dependendo do estágio da doença;
  • cor-pulmonale e hipertensão pulmonar: cor-pulmonale crônico (problema no ventrículo direito que resulta em distúrbio pulmonar), hipertensão pulmonar (alterações que dificultam a passagem do sangue pelas artérias e veias pulmonores) primária (HPP) ou secundária (quando deriva de enfisema pulmonar ou doença cardíaca congênita);
  • cardiopatia hipertensiva: hipertrofia (alteração na estrutura e função) ventricular esquerda ou dilatação, sobrecarga atrial e ventricular, disfunção diastólica e/ou sistólica (máxima e mínima), lesões nos chamados órgãos-alvo: cérebro; coração; vasos sanguíneos; olhos e rins;
  • síndromes coronarianas: síndromes crônicas como cardiopatia isquêmica, pós-infarto agudo do miocárdio, Angina Pectoris (estreitamento das artérias que levam sangue ao coração), entre outras;
  • valvopatias: doenças relacionadas às válvulas do coração (tricúspide, mitral, pulmonar e aórtica) que compromentam a circulação do sangue;
  • miocardiopatias e pericardiopatias: doenças que afetam o músculo cardíaco de quaisquer causas ou fenótipos; pericardite crônica; cardiopatia reumática;
  • doenças da aorta, dos grandes vasos e fístulas arteriovenosas: aneurismas, dissecções, hematomas da aorta e demais grandes vasos;
  • arritmias cardíacas (batimentos cardíacos irregulares): com relevância clínica e/ou cardiopatia (doença cardíaca) associada;
  • cardiopatia congênita (pessoas que nasceram com a doença) no adulto: que afetem a circulação do sangue, causem crises hipoxêmicas (pouco oxigenação), insuficiência cardíaca, arritmias, comprometimento miocárdico;
  • próteses valvares e dispositivos cardíacos implantados: abrange pessoas que,devido a problemas cardíacos, já tiveram que instalar próteses de válvula biológicas ou mecânicas; ou dispositivos tais como marcapasso, cardiodesfibrilador, ressincronizador, assistência circulatória de média ou longa permanência;
  • doença cerebrovascular: acidente vascular cerebral isquêmico (quando o AVC obstrui uma artéria), ou hemorrágico (quando rompe um vaso e sangra); ataque isquêmico transitório (AIT, provocado pelo bloqueio temporário de sangue no cérebro); demência vascular;
  • doença renal crônica: estágio 3 (lesão renal moderada) ou mais e/ou síndrome nefrótica (ocorre quando há perda maciça de proteínas pela urina que pode evoluir de forma crônica);
  • imunossuprimidos: transplantados de órgão sólido ou de medula óssea; pessoas vivendo com HIV; doenças reumáticas imunomediadas sistêmicas em atividade e em uso de dose de prednisona ou equivalente superior a 10 mg ao dia ou recebendo pulsoterapia com corticoide e/ou ciclofosfamida; demais indivíduos em uso de imunossupressores ou com imunodeficiências primárias; pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos seis meses; neoplasias hematológicas;
  • anemia falciforme: todas as pessoas com a doença;
  • obesidade mórbida: IMC (índice de massa corpórea) igual ou superior a 40;
  • cirrose hepática: Child-Pugh (tipo de score que mede a gravidade da doença) A, B ou C
  • síndrome de down: trissomia do cromossomo 21

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.