Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Empate é melhor para o Timão

O que será o amanhã? Responda quem puder... Alô, povão, agora é fé! Conforme modesta e precisamente “antecipado” por Caneladas do Vitão, São Paulo e Corinthians ficaram no 0 a 0. Não foi desta vez, pois, na sexta tentativa, que o Tricolor ganhou um clássico no ano.

Como a finalíssima será em Itaquera, onde jamais perdeu para o rival, o resultado foi melhor para o time do povo, mas, como não há vantagem de empate para ninguém, é claro que a decisão está aberta e o São Paulo (que eliminou o Palmeiras, mesmo sem ganhar, no Allianz) mantém viva a esperança de vencer o primeiro mata-mata do século (depois de oito derrotas) para o rival.

O técnico alvinegro Fábio Carille passa instruções para o lateral Carlos no jogo entre São Paulo e Corinthians, no Morumbi, na primeira final do Paulista
O técnico alvinegro Fábio Carille passa instruções para o lateral Carlos no jogo entre São Paulo e Corinthians, no Morumbi, na primeira final do Paulista - Daniel Augusto Jr./Ag. Corinthians

Como era óbvio, Cuca procurou mais o resultado do que Carille _a igualdade era o que o Timão queria.

Tanto que acabou o jogo com Helinho no lugar de Igor Gomes e foi para cima. Mas não dá para dizer que o resultado foi injusto, já que Henrique, livre na pequena área, perdeu um gol feito e o placar de 0 a 0 foi construído sem nenhum erro de arbitragem, apesar do circo patético do VAR atrapalhar o ritmo da decisão.

Não foi uma final antológica, mas foi uma decisão honesta, com entrega, luta, tensão e com os dois times, cada um dentro da sua estratégia, jogando. Com um minuto, os dois lados já haviam finalizado e, com dez, um amarelo (Ramiro e Igor Gomes) para cada lado.

O Tricolor voltou com Hernanes no lugar de Gonzalo Carneiro. Depois, Cuca trocou Everton por Nenê. Carille fez sua primeira mexida só aos 25min, trocando Jadson, que, sem ritmo, foi muito mal e deveria ter saído no intervalo, por Mateus Vital.

A partir daí, o jogo, que foi dominado pelo Tricolor na primeira metade da segunda etapa, com boa atuação de Hernanes, voltou a ficar equilibrado e controlado por parte da equipe visitante.

Agora é na ZL!

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.