Palmeiras bate o Furacão com gol de pênalti salvador

Verdão pressiona no segundo tempo e bate por 1 a 0 o Athletico-PR

Marcelo Mora
São Paulo

Com um gol de pênalti no segundo tempo, o Verdão faturou ontem mais uma vitória e, assim, se mantém na liderança isolada do Brasileirão, agora com 19 pontos em sete jogos, já que os três da vitória sobre o Botafogo seguem sub judice. Com o resultado, a equipe de Felipão chega a uma sequência de 31 jogos sem conhecer derrota na competição. O seu perseguidor mais direto é o Atlético-MG, que tem 15 pontos e enfrenta hoje o Peixe na Vila Belmiro.

Raphael Veiga comemora seu gol contra a equipe do Athletico-PR no duelo deste sábado no Allianz Parque
Raphael Veiga comemora seu gol contra a equipe do Athletico-PR no duelo deste sábado no Allianz Parque - Cesar Greco/Ag.Palmeiras/Divulgação

O Palmeiras precisou de uma penalidade máxima, aos 31min da etapa complementar, para bater por 1 a 0 o Athletico-PR, no Allianz Parque. Raphael Veiga, que no ano passado havia sido emprestado ao time paranaense, bateu e converteu.

Em um primeiro tempo truncado, o Palmeiras teve dificuldades para criar jogadas de ataque e ameaçar a meta adversária. Aliás, Weverton teve de trabalhar mais do que Santos, que, aos 5min, viu a bola atravessar toda a pequena área e sair rente à trave.

A partir daí, foi a vez do atacante Nikão começar a se destacar. Aos 12min, ele cobrou falta com força e obrigou Weverton a fazer grande defesa. Aos 32min, ele recebeu pela esquerda e chutou cruzado; o goleiro palmeirense teve de desviar para escanteio. E Nikão ainda chegou a ser expulso, após acertar, sem querer, o rosto de Weverton. O VAR foi acionado e a expulsão, anulada.

Após o intervalo, o Palmeiras voltou a campo disposto a fazer o resultado e criou seguidas chances de marcar. Na mais incrível delas, aos 8min, Zé Rafael, livre na pequena área, errou o alvo. Aos 31min, enfim, o pênalti salvador após falta sofrida por Dudu seguido pela boa cobrança de Veiga.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.