Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Velho e novo corações corinthianos

Vitor Guedes
São Paulo

Doutor, eu não me engano, corinthiano sofre. Do coração. Coisa de lóque. Paixão. Que não tem idade. Tum, tum, tum. Sem perder o toque, marcapasso, diapasão, no mesmo compasso. Corinthiano é Corinthians desde antes do nascimento terreno, passando pela terceira idade, até depois da morte, sentimento pleno. Amor que se traz do lado de lá. E acompanha, ad eternum, para a posteridade. Esse é o plano. Sentimento que nasce, floresce e renasce. Sem cessar. Tal é a lei. Vovô que vai, neto que vem. Aposto, rei posto. Tudo é mais difícil, mais gostoso.

Claudio Oliveira

Vitória e derrota são irmãos da mesma história. O que vale é a memória. Que fica. Somatória de todo dia, noite e dia. Quem conta um conto ganha ponto. Mesmo que perca. Vencer é estar do mesmo lado de quem amamos mesmo no perder. Mil vezes sofrer pelo amor do que vibrar contra ele. Pouco é véspera de muito. E vice-versa. Quando a lua de são Jorge dorme acorda um novo amanhecer, a translação da vitória, a rotação do abraço, tempo de colher. Amor não escolhe estação. Nem conhece ponto terminal. 

Só quem é sabe o que é ser e, por isso, sempre será. A felicidade não está no triunfo. Mas em estar do mesmo lado da trincheira na busca por ele. É fixar raiz e hastear no seu quintal a bandeira.

O Corinthians não está em Itaquera, nem no Tatuapé. É fé onipresente. Amor vivo no coração de sua gente. Que troca até de coração desde que o novo seja transplantado na mesma pulsação. Doutor, eu não me engano, todo dia é dia de todos os corações corinthianos, velhos e novos.

Depois do livro “Paixão Corinthiana” e de muitas centenas de textos publicados, eu não sabia mais o que fazer para homenagear o time do povo. E o meu próprio coração, extasiado de sofrer. E recebi o presente de Vantuil, leitor que (ainda) não conheço e a quem dedico esta coluna:

“[...] Bom dia, Vitão, eu sou Vantuil Miranda de Souza, leitor ‘ácido’ da sua coluna e fizemos até uma assinatura do Agora. Eu sou igual ao Basílio, corinthiano desde que eu nasci e tenho um netinho de um ano e quatro meses que vai jogar no nosso time. Fiz uma cirurgia no coração, tô me recuperando, mas quando ficar bom quero fazer uma visita a você. Um abraço, Vitão!”

Parabéns, Corinthians! Obrigado, Vantuil!

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.