Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Covarde, Palmeiras não deu nem para o cheiro no Maracanã

Vitor Guedes

Vamos dar as mãos, um, dois, três, quem errar a mão perde a vez... Alô, povão, agora é fé! Que teta! Flamengo 3 x 0 Palmeiras! No duelo dos elencos caríssimos, ficou claro, logo no décimo minuto, que a vitória seria de quem tem muito mais talento decisivo: Bruno Henrique para Arrascaeta, Arrascaeta para Gabigol, Gabigol para a rede! O segundo, ainda no primeiro tempo, foi oferecimento direto de Bruno Henrique para Arrascaeta. Mesmo sem ninguém na criação, o exército de volantes e os zagueiros ficaram só contemplando outro tento do líder. E o terceiro, que veio só no segundo tempo, já poderia ter vindo no primeiro: foi um passeio!

O Palmeiras, que na primeira chegada teve o gol de Matheus Fernandes _ uma das duas novidades, a outra foi Vitor Hugo no lugar de Luan na zaga _, bem anulado por impedimento de Willian observado pelo VAR, outra vez, não jogou nada. Não concluiu na frente, não criou nem combateu no meio, não se defendeu bem atrás.

Com tando armador no custoso elenco, ninguém foi a campo! Lucas Lima não ficou nem no banco! E foi um vareio constrangedor! Tudo que o Palmeiras desaprendeu durante a parada da Copa América, quando Felipão teve tempo para trabalhar e desarrumou a defesa e não criou nenhuma alternativa ofensiva, o rubro-negro aproveitou com Jorge Jesus. No segundo tempo, quando Gabigol ampliou em cobrança de “pênalti” sofrido por Rafinha, já estava claro que não havia como o Palmeiras fazer cócegas no gol de Diego Alves.

Dois jogadores com camisas brancas
O zagueiro Gustavo Gómez, que foi expulso no final da partida, e Vitor Hugo disputam a mesma bola; zagueiros ficaram atordoados diante do ataque do Flamengo - Cesar Greco/Ag. Palmeiras

O Verdão, que não venceu o Paulistão, nem a Copa do Brasil, nem a Libertadores, tem pontos e mais de um turno para correr atrás do Fla. Mas, está claro, dinheiro e tempo não são tudo…

O Flamengo, semifinalista da Libertadores e líder do Brasileirão, não tem nada com isso. E a massa (61.390 pagantes, 65.969 presentes) festejou: “favela, favela, festa na favela”. E também provocou: “o Palmeiras não tem Mundial, o Palmeiras não tem Mundial, não tem Copinha, não tem Mundial”…

Nelson Rodrigues: “Cada brasileiro, vivo ou morto, já foi Flamengo, por um instante, por um dia”. 


Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Destaques da 17ª rodada do Campeonato Brasileiro 

Festa na favela, alegria do povão

Com a sofrida e corinthianíssima vitória por 1 a 0 (placar modesta e precisamente “antecipado” em Caneladas do Vitão) no duelo com o Atlético-MG, o Corinthians festejou seu 109º aniversário ultrapassando os rivais São Paulo e Palmeiras (que tem um jogo a menos) e já é o terceiro na classificação do Brasileiro, a cinco pontos de Flamengo e Santos. Vitória da raça, da superação, da mística, da história. E da estrela de Carille que surpreendeu ao optar por Gustagol ao sacar Vagner Love em vez de Boselli e viu o centroavante que tem o amor pelo Timão tatuado na pele fazer a festa com a Fiel. Vai, Timão! Saravá, são Jorge!

Seleça
Seleça - Arte Agora
Selelama
Selelama - Arte Agora
Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.