Caneladas do Vitão: Tricampeonato paulista é o ponto alto do ano corinthiano

São Paulo

Vá com Deus, se o amor ainda está aqui, vá com Deus, e tente sorrir por mim, amor meu, se o destino está traçado, pra vivermos lado a lado, vá com Deus... Alô, povão, agora é fé! O final melancólico no interminável Campeonato Brasileiro de pontozzz corridozzz não apaga o fato de o Corinthians ter sido o único paulista a ter dado uma volta olímpica na temporada, com direito a vitória no Allianz Parque, na fase de classificação, eliminação do Santos na semifinal e outro triunfo em mata-mata decisivo contra o freguês São Paulo, no Paulistão.

0
O atacante Vagner Love comemora o gol do título paulista - Eduardo Anizelli - 21.abr.19/Folhapress

Dito isso, o Corinthians de Fábio Carille e, depois, do interino Coelho (aquele que não vai passar nenhuma informação para o Tiago Nunes) acumulou muitos jogos horrorosos: a eliminação para o Independiente Del Valle, do Equador, na Copa Sul-Americana, com direito a "olé" e derrota por 2 a 0, em Itaquera, foi o pior momento de um ano em que abundaram desempenhos horrorosos em campo.

Para o corinthiano que acha que o futebol foi inventado em 2012, não conhece 2007 nem a história de sofrimento com direito a 23 anos de jejum de títulos, não dá para considerar a temporada do tricampeonato paulista (feito que não acontecia havia 80 anos!) e da vaguinha à (pré-pré) Libertadores como uma tragédia esportiva.

Agora, o treinador Tiago Nnnes, que foi contratado para mudar o ritmo da prosa e voltar a fazer o time a jogar bola, tem que começar logo.

Como pipocou e não quis assumir a equipe alvinegra na reta final do Campeonato Brasileiro, perdeu o direito à lua de mel inicial e a cobrança da Fiel virá já no início do trabalho! Se repetir o que fez (com menos, registre-se) no Athletico-PR, os aplausos ao treinador virão. Se Luan-2020 lembrar o Luan-2017, o ano promete.

Prometo que é a última vez que eu corneto o Corinthians neste ano!

Feliz 2020!

Friedrich Nietzche: "Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo".

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Vitor Guedes
Vitor Guedes

42 anos, é ZL, jornalista formado e pós-graduado pela Universidade Metodista de São Paulo, comentarista esportivo, equilibrado e pai do Basílio

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.