Saiba como planejar as férias de julho sem gastar muito

Pesquisando bem, dá para viajar e organizar roteiros mesmo com orçamento apertado

São Paulo

Muitos brasileiros escolhem o mês de julho para viajar. E nem a crise econômica tem freado esse hábito.

Segundo a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), os voos nacionais no período cresceram 6,8% de 2017 para 2018. No que depender da procura, a tendência é que a alta se repita.

Mas quem deixa para se programar de última hora tem chances de achar tarifas muito acima do normal.

É o caso da advogada Giovanna Bozzo, 25, que vai passar seis dias em Teresópolis (RJ) com os pais e a filha de 10 meses.

“Me planejei há pouco tempo e os preços estavam altos. Pesquisando na internet, descobri que, para sócios do Sesc [Serviço Social do Comércio], os valores de hospedagens da rede têm 50% de desconto. Achei um hotel com lazer completo, piscina aquecida, brinquedoteca e campo de golfe”, diz.

 
Giovanna Bozzo, 25, com os pais e a filha. Família vai passar seis dias em Teresópolis (RJ) e, pesquisando na internet, conseguiu desconto de 50% em hospedagem da rede de hotéis Sesc. - Rubens Cavallari/Folhapress

Outra dica é optar por destinos alternativos, diz Larissa Resende, professora da Anhembi Morumbi.

“Lugares de verão, como o Nordeste, têm tarifas mais atraentes nessa época do ano e com um clima favorável, que dá para curtir as praias”, explica.

Para Annalisa Dal Zotto, da consultoria Par Mais, é essencial controlar os gastos durante a viagem.

“Ter valores máximos para alimentação e passeios é uma forma de não extrapolar, além de educar as crianças financeiramente”, diz.

‘Economia’ é a palavra de ordem na casa da professa Priscila Bernal, que vai acampar em Trindade (Rio de Janeiro) com a filha, a irmã e dois sobrinhos.

 

“Queríamos viajar nas férias das crianças e, como elas sempre pediam para acampar, procuramos um lugar em conta e que fosse perto de São Paulo. É a primeira vez que vamos todos juntos”, explica.

O controle de gastos não para por aí. Para economizar, a família planeja levar na mala alimentos que não precisam de refrigeração e já traçou um roteiro com passeios gratuitos.

“Como o orçamento está apertado, vamos conhecer a natureza local, cachoeiras, trilhas. Também vai ser bom para as crianças, que ficam muito tempo com eletrônicos. Quero despoluir a cabeça deles”, diz Priscila.

“Não tem como pagar ‘barato’, porque as tarifas já vão estar mais caras. Por isso, é fundamental ser criativo. Não fique preso ao tradicional”, aconselha Larissa.

Para economizar, Priscila Bernal vai acampar em Trindade (SP) com a filha, a irmã e os dois sobrinhos; além de gastar menos, querem aproveitar o contato com a natureza - Ronny Santos/Folhapress

Divirta-se sem estourar o orçamento

  • Destinos "típicos" de inverno, como lugares mais frios (serra, montanha) estão mais caros nesse período

  • Optar por lugares alternativos, "de calor", sai mais em conta

Quero frio

Quem deixa de ir para a Europa ou Estados Unidos vai para...

  • Santiago (Chile)

  • Bariloche (Argentina)

Quem deixa de ir para o Chile ou Argentina vai para...

  • Serra gaúcha (Gramado e Canela)

  • Serra catarinense (Lages e São Joaquim)

  • Cidades de serra do Sudeste, como Campos do Jordão (SP) e Petrópolis (RJ

Quem deixa de ir para estes destinos vai para...

  • Serra da Mantiqueira: São Francisco Xavier (SP), Gonçalves (MG), São Bento do Sapucaí (SP)

Principais dicas para economizar no planejamento da viagem

1) Sites de busca apontam preços de pacotes e tarifas mais em conta para o destino e data escolhidos

  • Promoções-relâmpago: companhias aéreas anunciam passagens muito mais baratas do que o normal, mas normalmente não é possível escolher as datas

  • Sites de compra coletiva/cupons: oferecem pacotes com preços muitas vezes vantajosos

2) Adapte-se e seja criativo

  • Lugares populares no verão, como as praias do Nordeste, têm tarifas atraentes no inverno

  • Hotel está caro? Procure tipos de hospedagem alternativos, com Airbnb (site que aluga acomodações), hostels ou campings; em alguns desses lugares é até possível preparar a própria refeição, o que já é uma despesa a menos

  • Cidade escolhida está com preços altos? Que tal se hospedar em uma cidade vizinha e fazer bate-volta? É uma opção para conhecer mais de um lugar e ainda gastar menos

3) Orçamento na ponta do lápis

  • Nada de sair gastando sem limites. Estipule um valor diário para despesas como alimentação, passeios e transporte

  • Anote tudo no bloco de notas do celular; ultrapassou a quantia do dia? Compense no dia seguinte, gastando menos

  • Compras e presentes: leve a quantia separada em dinheiro e não gaste mais do que aquilo

4) Pague à vista

  • Negocie: pagando o valor cheio de uma vez, é possível conseguir algum desconto

  • Mesmo que sem desconto, pagar à vista continua sendo a melhor opção: durante a viagem, há sempre gastos extras, que serão somados às parcelas do cartão de crédito mês a mês caso a compra seja dividida

  • Fuja do endividamento: não estoure o orçamento a ponto de ter que entrar no cheque especial ou pagar juros do cartão

Pé na estrada! Destinos "de verão" estão em alta no inverno

 
  • Das 10 cidades mais procuradas para viajar em julho deste ano, seis estão no Nordeste, mostra pesquisa do Ministério do Turismo

  • Fortaleza (CE), Maceió (AL), Natal (RN), Porto Seguro (BA), Ipojuca (PE) e Salvador (BA) são os "queridinhos"

  • Casais com filhos são o principal perfil do viajante que vai tirar férias (37%) e o destino tem que ter sol e praia para a maioria (49%)

  • A pasta do Turismo estima 34 milhões de viagens no país entre junho e julho

  • De acordo com a Booking (site de pesquisa de tarifas), 67% dos brasileiros pretendem gastar entre R$ 1.000 e R$ 5.000 nas férias

  • Segundo a Decolar (agência de viagens online), os destinos no exterior em alta são Orlando e Nova York (EUA), Santiago (Chile) e Lisboa (Portugal)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.