Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Faculdade cobra dívida de R$ 17 mil

Aposentado conta que instituição ameaça sujar seu nome: "Jamais teria condições de pagar o que cobram", diz ele

Laíssa Barros
São Paulo

O aposentado Paulo Vicente dos Santos, 66 anos, do Itaim Paulista (zona leste), conta que há alguns meses vem recebendo cartas e telefonemas de cobrança em nome da Universidade Brasil. 

Ele afirma que seu filho concluiu o curso de farmácia na instituição em 2017, mas que já pagou todas as parcelas do contrato firmado e, por isso, não entende a insistência das cobranças. 

O aposentado Paulo Vicente dos Santos conta que seu filho estudou farmácia na universidade: “Quero uma explicação para toda essa confusão”  - Foto: Martha Salomão/Folhapress

“Estão cobrando uma suposta dívida no valor de R$ 17 mil. Isso não existe. Pagamos tudo que devíamos a esta faculdade no final de 2017. Meu filho já está formado há dois anos, por que eles resolveram inventar esse valor depois de tanto tempo?”, queixa-se o aposentado ao Agora.

De acordo com Santos, além de desconhecer a dívida, seria impossível para ele pagar o preço cobrado pela Universidade Brasil. 

“Ganho 10% desse valor, jamais teria a capacidade de quitar o que estão cobrando. Nos telefonemas e nas cartas enviadas, a instituição diz que irá sujar o meu nome e o do meu filho. Isso seria terrível para a minha família”, diz Santos. 

O aposentado afirma ainda querer entender o motivo desse contato depois de tanto tempo e, também, diz desejar receber da Universidade Brasil um pedido de desculpas por toda a importunação. “Quero uma explicação para toda essa confusão, por isso peço a ajuda do Agora”. 

Universidade oferece acordo

A Universidade Brasil informa, em nota, que analisou os débitos de Santos e em seu sistema  consta o valor de R$ 17.413,35 em aberto. A instituição afirma ainda que entrou em contato com o leitor para esclarecer sobre as parcelas e oferecer uma proposta de pagamento. 

Em novo contato com o Agora, Santos afirmou que conversou com a faculdade e entendeu que havia uma dívida que ele desconhecia. “Vou tentar entrar em acordo. Não sabia que havia um valor em aberto”, disse ele. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.