Preço do café sobe 42% em quatro anos

Valor médio da xícara passou de R$ 2,39 para R$ 3,40 entre 2014 e 2018

São Paulo

A xícara de uma das bebidas mais consumidas do país está 42% mais cara. Segundo Pesquisa +Valor, da empresa Ticket, o preço médio nacional da xícara de café passou de R$ 2,39, em 2014, para R$ 3,40, em 2018.

A variação percentual no custo é ainda maior se considerado apenas o valor desembolsado por uma xícara do produto coado, que teve alta de 45%, enquanto a do expresso subiu 34% no mesmo período.

 

Os valores se devem, principalmente, porque o produto, por ser uma commodity, tem seu preço ditado por cotação estabelecida pela Bolsa de Valores de Nova York, explica Priscila Gardini de Agostin, especialista de produtos da Ticket.

“Além disso, podemos acrescentar aí os valores de logística e transporte de cada região. Dependendo da disponibilidade do café em cada economia local, ele pode ser vendido por um preço maior ou menor, o que acaba chegando até o consumidor”, afirma Priscila.

Segundo a pesquisa, realizada em mais de 4.000 estabelecimentos em todo o Brasil, a região Centro-oeste foi a que registrou a maior variação, com crescimento de 75% no valor pago por uma xícara de café.
Enquanto isso, a menor ficou no Nordeste, onde o aumento no custo foi de 35%, de R$ 2,62 para R$ 3,54 entre 2014 e 2018.

Patrícia Ribeiro, 32 anos, assessora de investimentos, diz que há tempos vem percebendo a alta no preço da xícara de café. “Já comecei a diminuir o consumo na rua. A gente tem que dosar, pois faz muita diferença no bolso no fim do mês. Costumo comprar uma vez ou outra.”

Dica é consumir produto com moderação

A bancária paulistana Maria Mieko, 68 anos, diz que o café faz parte de sua vida de uma forma muito intensa e que nem se preocupa com o quanto gasta com ele. “Sei que pago mais do que pagava no ano passado, mas não consigo deixar de lado esse prazer. Prefiro não pensar no valor”, diz.

​Para não sentir o peso da alta do cafezinho nem deixar de consumir o produto tão presente na vida dos brasileiros, Priscila recomenda o planejamento diário do orçamento doméstico. A dica da especialista é consumir o produto com moderação, principalmente para o bolso.

“Se cada pessoa conhecer seus gastos diários, poderá separar o valor certo do café que tomará na rua e não se perderá nas contas.”

 

45% foi quanto aumentou a xícara do produto coado

34% foi a alta do  café expresso

EM ALTA | PESO NO BOLSO

Veja os motivos do aumento do café

Cotação internacional

 O café é uma commodity e tem seu valor ditado por cotação estabelecida pela Bolsa de Valores de Nova Yorkn A Bolsa é um ambiente volátil, que influencia a tarifa dos produtos tanto no mercado físico quanto no futuro

Inflação e crise econômica no país

A crise afetou toda a cadeia produtiva nacional, além disso, custos com luz e gás, por exemplo, que têm subido bem, pressionam os valores

Logística e transporte

O transporte está entre os itens que encare o café n Combustíveis caros e outros itens pressionam o custo deste tipo de serviço, o que é repassado para os alimentos em geral

Produtos mais caros

Brasileiros passaram a consumir tipos de café mais caros e os estabelecimentos passaram a oferecer serviços personalizados, com custos ainda maiores

Dicas para economizar:

1. Conheça seus os gastos diários e planeje-os para não ter que cortar o cafezinho

2. Procure descontos e promoções nos estabelecimentos

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.