Força x Espaço: Como fica a disputa entre o Citroën C4 Cactus e Renault Captur

Na faixa dos R$ 100 mil, carros têm características distintas em disputa

Fernando Pedroso
São Paulo

Os utilitários esportivos, que já representam um quarto do mercado brasileiro, têm suas principais opções na faixa dos R$ 100 mil. Quem gosta de marcas francesas, tem duas alternativas: Citroën C4 Cactus Shine Pack e Renault Captur Intense. Cada um a sua forma.

Citroen C4 Cactus
Citroën C4 Cactus tem motor de 173 cv - Divulgação

O jipinho da Citroën aposta no desempenho. Traz um motor 1.6 turbo de 173 cv e transmissão automática de seis marchas. Anda como um esportivo e entrega uma boa lista de itens de série pelos R$ 99.990 pedidos por ele.

Renault Captur 1.6 CVT
Renault Captur aposta no tamanho maior - Divulgação

Já vem com seis airbags, controles de tração e de estabilidade adaptáveis a tipos de terreno, sistema de frenagem automática, alerta de colisão e de saída de faixa, além da central multimídia de 7” com suporte a Android Auto e Apple CarPlay.

O Captur é um pouco mais barato. Custa R$ 90.690 e vai a R$ 92.390 com o único opcional que é o revestimento em couro dos bancos.

Perde no entanto os airbags de cortina, ficando com quatro bolsas. A tela, também de 7”, não espelha celulares e, em comum com o Citroën, tem as rodas 17” e o ar-condicionado automático de duas zonas.

O motor também não entrega um desempenho empolgante. Trata-se de um 1.6 16v aspirado de até 120 cv com câmbio CVT. Perde desempenho sem ganhar em consumo, já que os dois fazem 7,2 km/l com álcool na cidade e, na estrada, o Cactus bebe um pouco menos: 8,9 km/l contra 8,1 km/l.

O Captur, no entanto, compensa com mais porte. É 16 cm mais comprido e tem 7 cm a mais na distância entre-eixos. Na prática, mais espaço interno e capacidade do porta-malas maior, com 437 litros ante os 320 l do C4, que tem porte próximo de um hatch compacto. Mas, para quem não precisa tanto de espaço assim, o compacto é melhor opção.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.