Testamos a Ford Ranger Limited, a quase autônoma

Como anda a versão topo de linha capaz de frear sozinha e se manter na faixa

Fernando Pedroso
São Paulo

Testes de picape, normalmente, são para avaliar sua capacidade de carga, robustez em estradas de terra ou autonomia para longas viagens. Não é o caso da linha 2020 da Ford Ranger Limited. O diferencial aqui está na tecnologia embarcada.

O Agora escolheu a versão para testar como funciona a sua direção semi-autônoma, um conjunto de tecnologias cada vez mais comum em carros de luxo, mas ainda exclusivo para a picape em sua categoria.

A primeira ação é ligar o controle de cruzeiro adaptativo. O sistema controla o motor 3.2 de cinco cilindros a diesel com 200 cv para ficar na velocidade programada. Ao detectar algum veículo mais lento, a velocidade diminui automaticamente até que o caminho esteja livre para voltar a acelerar.

Outro sistema é o sistema de permanência em faixa. Com ele ligado, a caminhonete se mantém entre as faixas pintadas na rodovia. Basta soltar o volante e ver que a picape começa a sair um pouco para o lado. Ao chegar perto da divisa entre as faixas, o volante dá uma leve mexida e coloca a Ranger de novo no rumo.

Mais uma vez ela chega perto de outra faixa e faz novamente o movimento, mas um aviso sonoro avisa para o motorista retomar o controle. Ela ainda não é capaz de fazer uma curva mais fechada ou virar esquinas.

Se o motorista preferir dirigir ele mesmo, outros dois itens são auxiliares. Um mostra no painel digital qual é a velocidade máxima da via. A informação chega pela leitura de placas feita por uma das câmeras instalada no para-brisa.

Outra é a frenagem automática, capaz de parar a Ranger ao detectar um objeto à frente.
A Ranger Limited sai por R$ 192.790 com todo o pacote semi-autônomo e demais equipamentos.

Como funciona

  • Frenagem automática Duas câmeras e um radar detectam outros veículos, objetos ou pedestres. Os freios são acionados com mais força para ajudar o motorista quando ele pisar no pedal. Caso isso não ocorra, a frenagem é feita de forma automática para evitar ou diminuir o impacto da batida
  • Piloto automático adaptativo Mantém a velocidade do veículo que vai à frente ou na programada pelo motorista. Se o trânsito diminuir ou parar, o sistema é capaz de frear e acelerar a picape sozinho sem interferência do motorista
  • Sistema de permanência em faixa Dois sensores instalados nas laterais, na base dos retrovisores externos, fazem a leitura das faixas para manter a picape entre elas. Caso o motorista não mexa no volante, a direção pode se mover sozinha para que o carro siga seu curso, mas um sinal sonoro é acionado
  • Reconhecimento de placas de velocidade As câmeras fazem a leitura das placas de velocidade máxima das ruas e a replicam na tela do painel. O sistema orienta o motorista sobre o limite da via, mas não atua sobre o veículo
Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.