Governo Doria anuncia concurso para contratar policiais civis

Serão quase 3.000 policiais, entre delegados, investigadores e escrivães

Luciana Lazarini
São Paulo

O governo João Doria (PSDB) autorizou nesta terça-feira (4) a abertura de concurso público para contratar de 250 delegados de polícia, 900 investigadores, 1.600 escrivães e 189 médicos legais. A previsão é que o concurso seja aberto no próximo ano. 

Viatura da Polícia Civil trafega pela marginal Pinheiros, no sentido Interlagos - Rivaldo Gomes - 11.abr.2019/Folhapress

Segundo despachos do governador no “Diário Oficial” do estado, em todos os casos, o governo prevê verificar se há orçamento suficiente para as contratações.

Durante cerca de quatro meses, os policiais passam por curso de formação, com estágio. Depois dessa etapa, os policiais são distribuídos em vagas nos municípios.

Hoje o salário inicial de um escrivão e de um investigador de polícia de terceira classe é de R$ 3.743,98. O valor considera o salário-base mais o RETP. 

A remuneração inicial de delegado de terceira classe é de R$ 9.888,07 (salário-base, RETP e Adicional por Direção da Atividade de Polícia Judiciária). Os servidores também recebem adicional de insalubridade.

O estado informou que ainda está em estudo a data exata de divulgação do edital do concurso público.

De acordo com o governo estadual, é exigido dos delegados ensino superior em direito.  Para quem vai concorrer aos cargos de investigador e escrivão, é preciso ter nível superior completo. Médicos legistas têm que ter formação em medicina.

Seleções

Outros concursos públicos estão em andamento para preencher 2.750 vagas para a Polícia Civil.  São 250 oportunidades para delegados, 600 de investigadores, 800 para escrivães, 300 agentes de telecomunicações, 400 agentes policiais e 200 auxiliares de papiloscopistas.

Ao anunciar o concurso nesta terça (4), João Doria (PSDB) prometeu investir em equipamentos, treinamentos e no reforço do corpo de investigação. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.