Professora teve surto após ataque de alunos

Docente está internada no Hospital do Servidor, em São Paulo

Elaine Granconato
São Paulo

A professora de língua portuguesa e inglês de 45 anos vítima em de atos de vandalismo de alunos do 7º ano A da Escola Estadual Maria de Lourdes Teixeira, em Carapicuíba (Grande São Paulo), teve um surto em sua casa no último domingo. Descrita como uma pessoa tranquila, ela é filha de um professor de história e geografia de 77 anos, hoje aposentado, e tem três irmãs que também seguiram a mesma carreira. 

Segundo relato de familiares, ela quebrou e arremessou objetos, gritou e teve seguidas convulsões que a levaram, primeiramente, para o pronto-socorro municipal de Itapevi (Grande São Paulo), cidade vizinha à Carapicuíba.

Depois, foi levada ao Hospital do Servidor Público Estadual, na Vila Clementino (zona sul da capital). A docente deu entrada na madrugada de segunda-feira (3) e permanecia internada nesta terça-feira (4), agora sem sedação. Não há previsão de alta.

Alunos de uma escola estadual em Carapicuíba (Grande SP) arremessaram livros em uma professora, jogaram carteiras e vandalizaram a sala de aula na sexta feira, 31 de maio - Reprodução

“Imagina um pai ver uma cena dessa. Foi ele quem levou minha irmã, inicialmente, ao pronto-socorro, e ficou ao lado dela. Na verdade, está destruído também”, conta em entrevista ao Agora uma das irmãs, que também é professora e trabalha na mesma escola estadual.

Segundo ela, sua irmã é uma pessoa educada, tranquila, pacífica e que não gosta de discussão. “Tudo para ela é na base do diálogo, da conversa”, diz. Na vida pessoal, divorciada, mãe de universitário de 19 anos e cristã, a docente é amante de leitura, cinema e teatro.

No estado, trabalha há 26 anos. Nesta escola, dobra o período: manhã e tarde. Na semana, são cerca de 45 aulas, entre português e inglês.

A irmã diz que, além dos dez alunos do 7º ano A, outros dez, todos homens e de turmas do 6º e 9º anos, entre 12 e 16 anos, já foram identificados pela escola com o mesmo tipo de comportamento.

“São agressivos, dissimulados, irônicos, farristas, sem educação. Falam palavrões, chutam portas. Andam pelos corredores. Batem nos pequenos e pegam os lanches. Agridem verbalmente os professores. Enfim, não têm limites e apresentam comportamentos que a gente fica perplexa. E, no fim, todo mundo cruza os braços”, desabafa a professora com 25 anos de carreira na rede de ensino estadual.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.