Homem tenta matar primo dentro de loja de roupas

Acusado alegou ter sofrido abuso sexual de comerciante quando era criança

Alfredo Henrique
São Paulo

Um homem de 25 anos tentou matar o próprio primo, por volta das 20h de terça-feira (13), pouco antes da loja da vítima ser fechada, na Praia Grande (71 km de SP). Em depoimento à polícia, o acusado admitiu ter cometido o crime, alegando que teria sido abusado sexualmente pela vítima quando era criança. 

Segundo a polícia, o tiro dado pelo suspeito atingiu a vítima, um comerciante de 28 anos, em um dos ombros. O rapaz baleado foi encaminhado ao hospital Irmã Dulce, onde permanecia internado até a publicação desta reportagem. Ele não corre risco de morrer. 

O acusado, segundo registrado pela Polícia Civil, trabalhava panfletando promoções da loja de roupas da vítima, localizada dentro de um posto de combustíveis do bairro Tude Bastos. 

Quando o horário de fechamento do estabelecimento se aproximava, o acusado, já dentro da loja, sacou uma arma de fogo e atirou contra o parente. Ainda de acordo com a polícia, o comerciante tentou se esconder atrás do balcão, mas mesmo assim foi atingido. 

Após ferir o primo, o acusado guardou a arma dentro de uma mochila e tentou fugir. Porém, ele foi rendido por um agente penitenciário de folga, que estava perto do posto no momento da tentativa de homicídio. Em seguida, a Polícia Militar foi acionada. 

Em depoimento à polícia, o acusado alegou que foi abusado sexualmente pelo primo quando tinha 12 anos. Na ocasião, o comerciante baleado contava com 15. 

O suspeito foi preso em flagrante e indiciado por tentativa de homicídio. O caso foi registrado na Delegacia Sede de Praia Grande, que vai investigar o caso.  

Tentativa de assassinato 

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB), foram registrados 17 casos de tentativa de homicídio, na Praia Grande, entre janeiro e junho deste ano. No mesmo período do ano passado, foram 13 casos do tipo, representando alta de 30%. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.