Jogadores de videogame usam PMs de SP como personagens

Modificação leva em conta até mesmo os novos veículos da corporação

Alfredo Henrique
São Paulo

Jogadores de games se transformam em policiais militares e em criminosos dispostos a enfrentar esses PMs em jogos que impressionam pela realidade das imagens e das situações. Os confrontos e as perseguições têm como cenários pontos conhecidos da cidade de São Paulo. 

O cotidiano da rotina dos policiais militares é retratado com um processo chamado “mod”, contração da palavra de origem inglesa modification (modificação). 

O recurso permite mudar objetivos e ações no jogo chamado GTA (sigla em inglês para grande roubo de carros, em tradução livre).

O assistente administrativo Victor Santos, 19 anos, se especializou em criar veículos da PM para serem usados no jogo. Já levou para o mundo virtual, inclusive, as viaturas com novas pinturas que começaram a rodar no mês passado.

Ele disponibiliza os veículos virtuais gratuitamente a outros jogadores.  “Existem no Brasil umas 200 ‘cidades’, onde o pessoal joga respeitando, o máximo possível, situações que ocorrem na vida real”, diz. 

Segundo Santos, jogadores usam personagens com fardas idênticas às da PM em rondas, blitze, abordagens e perseguições, sempre com muita ação, troca de tiros e prisões.  “Os jogadores se comunicam, em tempo real, por rádio. Às vezes, um mata o outro no jogo”, conta. 

Os mais empolgados gravam as ações e as compartilham nas redes sociais. Segundo um destes vídeos, dois jogadores, que no GTA são PMs da Força Tática, acabam acionados para uma operação em uma favela. Quando saem da base, a viatura passa ao lado da ponte estaiada, na marginal Pinheiros (zona oeste), um dos símbolos da cidade de São Paulo. 

Paciência

Santos diz que leva até quatro dias para reproduzir um carro da Polícia Militar. 
“Comprei, em um site estrangeiro, uma carcaça em 3D de uma caminhonete. A partir dela, desenvolvo o modelo até ele ficar igual aos usados de verdade pela polícia”, diz Santos, que afirma ter investido US$ 75 (quase R$ 300) na matriz. 

“Uso fotografias dos adesivos colados nos veículos da PM. A partir disso, coloco imagens iguais nos carros que monto”, explica.

Santos já fez viaturas da Força Tática, Rota (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar), Rocam (Ronda com Motocicletas), além de carros da Polícia Civil, como do Garra (Grupo Armado de Repressão  a Roubos e Assaltos).

'Código Q'

Segurança na vida real, Paulo Henrique Rodrigues dos Santos, 26 anos, atua como policial militar no jogo GTA há cerca de cinco anos. Ele inclusive utiliza o chamado “código Q”, linguagem usada por PMs na comunicação por rádio.

“Tentamos [jogadores] ser o mais real possível no jogo. Fazemos patrulhas e  abordamos suspeitos. No mundo do jogo tem ladrão e cidadão de bem”, afirma. 

Ele diz que, para ingressar no game modificado, o jogador precisa da autorização de um administrador, chamado entre os participantes do GTA de “prefeito”. 

“Eles são os responsáveis pela administração das cidades. Os ‘prefeitos’ monitoram tudo”, afirma. 
As cidades mencionadas pelo segurança usam como base o município fictício de Los Santos, onde a história original do GTA acontece. 

O jogador lembra  uma situação em que quase morreu (no mundo virtual), após ele e seu parceiro serem alvo de uma emboscada. “Chegaram uns seis bandidos, armados com metralhadoras, e começaram a atirar contra nossa viatura.” 

Da mesma forma que há PMs e ladrões, as versões modificadas do GTA também contam com socorristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência). Foi por conta disso que o personagem de Santos foi salvo. Se em cerca de 500 segundos não houver socorro, o personagem morre. “Aí, o jogador precisa começar do zero. Perde dinheiro e imóveis que tenha comprado no jogo.”

Nas versões modificadas, os jogadores têm salário, precisam comer e beber água. Como no mundo real, também podem se envolver em casos de corrupção.

Realismo

O artista Luís Schiavon descobriu, em 2002, que era possível editar o GTA, à época em sua terceira edição. A princípio, ele se empenhou em como modificar as missões do jogo, habitando a cidade até com personalidades, como o humorista e escritor Jô Soares.  

“Fiz [em 2008] uma versão com texturas trocadas da cidade, pedestres modificados e já tinha dublado algumas missões. Rapidamente eu fechei a primeira ilha e gravei um CD, um produto de alta tecnologia feito em casa”, afirma. 

Um dos pioneiros a fazer modificações no jogo, no entanto, critica o realismo exacerbado das atuais versões do game. “Não há sentido no realismo do último GTA, o mapa é muito grande e perfeito. Prefiro pensar em uma arquitetura não replicando a engenharia do mundo real”, afirma.

Psicóloga

A psicóloga Andrea Jotta, que também é professora de mídias contemporâneas na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), afirmou que jogos como o GTA, usados como forma de lazer, não oferecem riscos ou problemas. 

“Porém, é importante ficar atento [jogador e pessoas próximas] para verificar se estar no jogo é mais prazeroso do que viver a realidade da vida”, alerta. 

A especialista acrescenta que, conforme a tecnologia se expande, ela se aproxima ainda mais da realidade, permitindo que não amadores os modifiquem. “O que temos hoje é a realidade expandida. O mod do GTA mostra essa realidade expandida. Atualmente, porém, há leigos que desenvolvem artifícios para trazer, para o jogo, o que gostam [como criar personagens policiais], por exemplo”, afirma. 

Andrea reforça ainda a importância de proibir que crianças tenham acesso a jogos desse gênero. Segundo a psicóloga, elas precisam adquirir, durante toda a infância, a noção do que é certo e errado. 

“Crianças precisam de limites, que devem estar bem explicados, para que elas os internalizem e possam agir da maneira mais adequada possível”. 

Resposta

Segundo a SSP (Secretaria da Segurança Pública), sob a gestão João Doria (PSDB), as polícias Civil e Militar irão analisar os vídeos disponibilizados na internet, em que jogadores utilizam símbolos das corporações em jogos de videogame. 

“Se constatada alguma infração penal, será devidamente apurada”, afirma trecho de nota enviada pela secretaria. 

A Rockstar, empresa detentora dos direitos do GTA, não se manifestou sobre a adulteração do jogo, feito por usuários, até a conclusão desta edição.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.