Justiça condena dois pichadores pela morte de dentista na capital paulista

Crime ocorreu em 2016 após vítima e o pai dela discutirem com acusados

Alfredo Henrique
São Paulo

A Justiça condenou nesta sexta-feira (18), a 30 e a 36 anos de prisão, dois pichadores acusados de envolvimento na morte do dentista Wellington da Silva, 39, e da tentativa de homicídio do pai dele, em 2016 na zona norte da capital paulista. 

O dentista foi morto após sair à rua para discutir com os réus, que pichavam o muro da casa dele.

Imagem de câmera de segurança mostra a ação dos pichadores no dia do crime - Reprodução/TV Globo

Segundo o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), Aloísio Pires da Silva foi condenado 36 anos, seis meses e 20 dias de reclusão, além do pagamento de multa.  Lucas Rafael de Siqueira Nunes foi condenado a 30 anos, sete meses e 16 dias de reclusão, além de multa. A idade dos réus não foi informada, da mesma forma que o valor das multas. A defesa de ambos não foi encontrada pela reportagem. 

Além dos dois pichadores, a Justiça também já havia julgado e condenado outros quatro envolvidos no crime, com penas que variaram entre 26 e 43 anos de reclusão. Todos os condenados cumprem as sentenças no regime fechado. 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.