Justiça manda soltar corretor acusado de matar policial

Defesa apresentou provas de que ele estava na casa da namorada

Alfredo Henrique
São Paulo

A Justiça revogou na noite desta quarta-feira (23) a prisão do corretor de imóveis Guilherme Mendonça de Matos, 33 anos, acusado de matar com quatro tiros um policial civil aposentado de 79 anos, no último dia 6, em Cidade Dutra (zona sul da capital paulista). Ele estava detido desde o último dia 17.

Suposto carro usado por responsável pela morte de policial civil aposentado - Divulgação/Polícia Civil

A Ouvidoria das polícias de São Paulo disse ao Agora, na terça-feira (22), que existiam fragilidades na acusação contra Matos e que não via sustentação na prisão.

Segundo o advogado Razuen el Kadri, a revogação ocorreu diante de provas apresentadas pelo defensor e por parentes de Matos, que comprovariam, por exemplo, que o corretor estava na casa da namorada, na Grande São Paulo, quando o policial foi morto na capital paulista.

Segundo a polícia, o policial aposentado pediu para a mulher abrir o portão de sua residência, pois havia esquecido o chave. Antes que ela saísse, um homem atirou contra o policial e fugiu em um VW Gol.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.