Polícia descobre oficina que desmanchava motos Harley Davidson

Dois comerciantes acabaram presos, em estabelecimentos diferentes, no centro da capital paulista

Alfredo Henrique
São Paulo

Um comerciante de 49 anos foi preso na manhã desta quinta-feira (31), na região conhecida como “boca das motos”, no centro da capital paulista, acusado de adquirir ilegalmente dois motores de motos Harley Davidson.

Segundo a polícia os motores, que estavam com a numeração raspada, seriam desmontados e suas peças vendidas. 

motores harley roubados
Polícia encontrou dois motores de motos Harley Davidson, na manhã desta quinta-feira (31), que seriam desmontados em uma oficina mecânica na região central da capital paulista - Divulgação/Deic

O delegado Eduardo Castanheira disse que o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) realiza ações periódicas no centro para combater o comércio ilegal de peças de veículos. Na manhã desta quinta, policiais ingressaram em alguns comércios da região central, quando se depararam com os dois motores, de duas motos roubadas, dentro de uma oficina no bairro Santa Efigênia (centro).

“Em razão disso, o dono da loja foi preso por receptação qualificada, pois os motores estavam dentro do comércio dele”, explicou Castanheira.

O delegado acrescentou que o comerciante já foi preso anteriormente pelo mesmo crime, além de contar com mais duas acusações por formação de quadrilha. A defesa do suspeito não foi localizada pela reportagem. 

Além deste comerciante, outro proprietário de loja, de 40 anos, também foi preso na mesma região por policiais da 3ª Delegacia Divecar (Investigações sobre Desmanches Ilegais) por também manter em sua loja um motor produto de roubo. O valor em que as peças seriam comercializadas não foi informado pelo Deic. 

Os dois suspeitos seriam submetidos a audiências de custódia, nesta sexta-feira (1º), nas quais a Justiça irá determinar se eles responderão às acusações presos ou em liberdade.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.