Vacinação contra sarampo começa na segunda no país

Na primeira fase, prioridade será imunizar crianças de 6 meses a 5 anos

Marcelo Mora
São Paulo

A Campanha de Nacional de Vacinação contra o Sarampo começa a partir desta segunda-feira (7) nos postos de saúde de todo o país com o objetivo inicial de atingir 95% da cobertura vacinal em crianças de 1 a 5 anos. De acordo com o Ministério da Saúde, a prioridade será imunizar crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade no período de 7 a 25 de outubro, com o “dia D” de vacinação marcado para 19 de outubro.

Fila de vacinação contra o sarampo na entrada da estação Santa Cecilia do metrô - Rubens Cavallari - 23.jul.2019/Folhapress

E, a partir de 18 de novembro, a campanha será direcionada para adultos na faixa etária dos 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. A meta é vacinar 2,6 milhões crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões de adultos no país.

No estado de São Paulo, a Secretaria de Estado da Saúde também inicia nesta segunda-feira, em parceria com os municípios, a campanha de vacinação contra o sarampo para alcançar crianças ainda não imunizadas contra a doença.

O público-alvo da campanha deve ser levado aos postos de saúde, preferencialmente com a carteirinha de vacinação, para que um profissional verifique a necessidade de aplicação da dose.

Além disso, os municípios paulistas —inclusive a capital— devem ainda seguir realizando ações de bloqueio quando houver notificação de casos da doença.

Neste ano, até o momento, foram confirmados laboratorialmente 5.411 casos em todo o estado. E já houve nove mortes decorrentes de complicações pelo sarampo. No final de agosto, foram confirmadas três mortes, sendo um adulto e dois bebês. Na última semana de setembro, mais dois óbitos na capital: uma adulta e um bebê. E na última quarta-feira (2), quatro mortes também tiveram confirmação.

“A tríplice viral protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Mantê-la em dia é a melhor forma de prevenção”, afirma a diretora de Imunização da secretaria, Helena Sato.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.