Van clandestina para o litoral paulista sai a cada 10 minutos

Veículos ficam estacionado ao lado de terminal de ônibus regular no Jabaquara

São Paulo

Motoristas de vans aproveitaram a falta de fiscalização na tarde desta sexta-feira (27) para oferecer transporte clandestino para a Baixada Santista no Jabaquara (zona sul). 

Os veículos, que não têm registros para transporte intermunicipal regular de linha na Artesp (Agência Reguladora de Transporte do Estado de São Paulo), e que por isso não poderiam ser usados no serviço, estavam estacionados em fila na rua Grumixama, ao lado da estação Jabaquara da linha 1-azul do metrô e do Terminal Rodoviário do Jabaquara, de onde partem ônibus para o litoral sul paulista. 

Uma das promotoras do serviço afirmou estar trabalhando desde o dia 20 de dezembro. São umas dez viagens por dia para cada carro", disse, sem saber que falava com a reportagem.

As vans e micro-ônibus saem a cada dez minutos em dias movimentados como nesta véspera de feriado prolongado de Ano-Novo. 

Vans próximas ao Terminal Rodoviário do Jabaquara com destino ao litoral. Serviço é irregular - Rubens Cavallari/Folhapress

As principais cidades litorâneas do sul do estado são atendidas pelo serviço, de São Vicente até Peruíbe.
A abordagem aos possíveis passageiros ocorre dentro da estação de metrô. 

Algumas das abordagens ocorriam, inclusive, perto de seguranças do Metrô. Não havia nenhum agente da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), apesar de a gestão Bruno Covas (PSDB) afirmar que intensificou a fiscalização desde a semana passada no local, ou da Artesp. 

O transporte custa entre R$ 35 e R$ 70, para quem desce no entorno das rodoviárias, e entre R$ 40 e R$ 80 para ficar no endereço de escolha do passageiro. 

O valor é, em média, 20% mais caro que os preços das passagens de ônibus regulares para o litoral.

A agilidade da van e a comodidade de poder escolher o endereço de desembarque são os atrativos citados por quem admitiu usar o transporte clandestino, mesmo tendo consciência da irregularidade.

'O importante é chegar logo  na praia', afirma passageiro

Um vendedor que usava o serviço disse não se importar se era clandestino. "O importante é chegar logo na praia", afirmou ele, que é de Carapicuíba (Grande SP) e foi para Itanhaém com quatro adolescentes.

Uma comerciante, que também embarcava nesta sexta, disse se sentir insegura, mas arriscou mesmo assim. "Eles [motoristas] correm, mas estou com muitas malas e vou tentar ficar perto de casa", afirmou.

Prefeitura diz que intensificou fiscalização a partir do dia 20

A Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), diz que entre janeiro e novembro foram fiscalizados 9.256 veículos de fretamento na cidade, sendo que 191 eram irregulares e 36 foram apreendidos.

A nota diz que a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) intensificou no dia 20 o trabalho de fiscalização nas imediações do terminal Jabaquara.

O Metrô diz que seguranças fazem rondas pelas estações e que, sempre que constatada a presença de aliciadores para transporte irregular no sistema, eles são abordados e orientados a parar com a prática.

A Artesp diz que só tem competência para realizar fiscalizações dentro dos terminais rodoviários e nas rodovias e que, entre janeiro e novembro, apreendeu 965 veículos por realizarem transporte sem licença para operar viagens intermunicipais no estado.

 
 
Erramos: o texto foi alterado

A versão anterior deste texto informava incorretamente na legenda que vans estavam estacionadas próximas ao Terminal Rodoviário da Barra Funda, mas estavam próximas ao do Jabaquara 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.