Descrição de chapéu Alalaô

Campeãs se enfrentam na segunda noite de desfiles em SP

Mocidade, Águia de Ouro, Gaviões da Fiel e Rosas de Ouro prometem fazer o sambódromo tremer

Juca Guimarães
São Paulo

A segunda noite de desfiles do Grupo Especial de São Paulo, neste sábado (22) e na madrugada de domingo (23), reúne agremiações tradicionais e muitos títulos.

A Mocidade Alegre, que já levou o troféu em dez carnavais --o mais recente em 2014, é um dos destaques. 
Quarta escola a entrar no sambódromo, a Morada do Samba vem com enredo poderoso destacando o sagrado feminino, segundo a cultura africana. "Do Canto das Yabás, renasce uma nova morada" é uma exaltação às mulheres e ao poder da criação.

Durante os ensaios e preparação do desfile, o barracão da escola virou um local de conexão espiritual, recebendo representantes de diversas religiões, como a monja Cohen. 

Aline Oliveira - Rainha de Bateria da Mocidade Alegre
Aline Oliveira, rainha de bateria da Mocidade Alegre, escola que tem dez títulos no Carnaval paulistano; agremiação será a 4ª a entrar no sambódromo - Ricardo Torres/Divulgação

"Ela nos deu palavras de apoio e destacou a forma como retratamos com respeito as lendas das yabás e o contexto do enredo, que é uma grande oração pela paz e retomada do equilíbrio do planeta em conexão com o sagrado celestial", diz Fábio Parra, diretor da Mocidade. 

Outras campeãs na avenida são Gaviões da Fiel, Rosas de Ouro e a Águia de Ouro. A escola da zona oeste da capital, que já tem três títulos, traz neste ano enredo sobre a sabedoria.

"Vamos mostrar o desenvolvimento intelectual do homem com as invenções clássicas como o fogo, a roda, a agricultura, a arte e a espiritualidade", disse Sidney França, carnavalesco da Águia de Ouro.

Um dos destaques será a comissão de frente, com coreografias complexas.

Gaviões da Fiel e Rosas de Ouro querem inovar

A Gaviões da Fiel aposta no carnavalesco Paulo Barros, campeão quatro vezes no Rio de Janeiro e que estreia em São Paulo, para fazer a torcida levantar na arquibancada do Sambódromo do Anhembi, nesta segunda-feira de desfiles do Grupo Especial.

Barros, conhecido pelas alegorias com coreografias humanizadas, assina o enredo da Gaviões, com Paulo Menezes, e promete tocar o sentimento.

A Gaviões da Fiel foi buscar no Rio de Janeiro o carnavalesco Paulo Barros para tentar mais um título no Carnaval - Bruna Prado - 5.mar.17/UOL

"Será um Carnaval inovador para São Paulo, preparamos um desfile com coisas diferentes do que se está acostumado a fazer", afirma Barros.

"Vamos levar amor para o sambódromo. Queremos encantar o Anhembi", diz. Segundo a Gaviões, não haverá, por exemplo, nenhuma arma no desfile da Gaviões, nem mesmo nas fantasia de guerreiros.

A escola é a terceira escola a entrar no sambódromo em uma data especial. Faz 25 anos que a Gaviões fez história com o samba "O que é bom dura para sempre", um marco do Carnaval de 1995.

Outro nome forte nesta madruga é a Rosas de Ouro --que fechará o Grupo Especial. A escola, que tem sete títulos no Carnaval, sendo o último conquistado em 2010, está decida a tentar levar o troféu de volta para a Freguesia do Ó (zona norte) depois de dez anos. 

O enredo "Tempos modernos" fala de humanização em tempos de alta tecnologia. "A ideia é humanizar a revolução industrial e divulgar o quanto é importante para a população brasileira entender o que está por vir com a quarta revolução que estamos vivendo", afirma o vice-presidente da Rosas de Ouro, Osmar Costa.

A escola é outra que promete inovar. Em uma manobra considerada ousada, o mestre da "Bateria com Identidade", Rafael Oliveira, conta que irá abaixar o som e depois aumentar gradualmente. Para conseguir o efeito, os 240 integrantes estão ensaiando desde junho."Será lindo de ver e ouvir", afirma.

Ciganos e Maranhão terão homenagem

Quem estiver de olho no Sambódromo do Anhembi na noite deste sábado vai aprender um pouco sobre a cultura cigana e sobre as maravilhas do Maranhão.

A Pérola Negra, escola da Vila Madalena (zona oeste), atual campeã do Grupo de Acesso, vai apresentar um enredo sobre os ciganos, na abertura do desfile desta noite, a partir da 22h30. 

O enredo "Bartali tcherain -- a estrela cigana, brilha na Pérola Negra!" narra a saga de perseguição, o misticismo, a culinária e as tradições dos ciganos que começa no Oriente, passa pela Europa e se espalha por todo o mundo.

O misticismo e a fé estão presentes na leitura do futuro nas linhas das mãos e na história da santa Sara de Kali, padroeira dos ciganos. 

A escola precisará fazer um desfile de superação por causa das perdas de materiais e fantasias durante as enchentes que atingiram São Paulo neste mês.

O barração da escola ficou alagado e dois carros alegóricos foram destruídos. Cerca de 40% das fantasias acabaram danificadas.

A Liga-SP decidiu adotar critérios diferenciados de julgamento para não prejudicar a Pérola. 

A passista Amanda Lofgren está confiante. "Vamos vir com garra, energia e alegria", afirma.

A Colorado do Brás, a segunda a desfilar, escolheu o Maranhão como tema do enredo "Que rei sou eu?".

A bailarina Camila Prins será a primeira rainha de bateria trans a desfilar no Grupo Especial de São Paulo. "Vivemos no país onde mais se mata transexuais no mundo. Quero mostrar quem sou e que tenho samba no pé", afirma.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.