Descrição de chapéu Coronavírus

Cidades do litoral de SP tentam evitar aglomeração de turistas da capital no feriado

Barreiras serão feitas nas entradas de alguns municípios

São Paulo

As cidades do litoral paulista tentam evitar que ocorra uma grande presença de turistas por conta do feriado prolongado programado para a capital paulista.

A antecipação de feriados municipais para essa semana é uma das medidas da Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas (PSDB), como forma de combate à pandemia do novo coronavírus. A ideia é tentar aumentar a taxa de isolamento social. Na medição de segunda (18), o índice de isolamento na capital foi de 49%, segundo o Sistema de Monitoramento Inteligente do governo do estado, gestão João Doria (PSDB).

As nove cidades da Baixada Santista anunciaram que não irão antecipar feriados municipais para aderir ao feriado prolongado que acontecerá na capital a partir desta quarta-feira (20).

Para evitar que uma grande quantidade de veículos no litoral sul, as administrações municipais pretendem realizar bloqueios nos acessos à região.

“Quarentena não é férias, as pessoas têm que ficar em casa. Entendemos que antecipar feriado iria estimular a vinda de turistas para região”, afirma o prefeito de Santos, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), que também é o presidente do Condesb (Conselho de Desenvolvimento Metropolitano da Baixada Santista).

Para inibir a presença de uma grande quantidade de pessoas no litoral ele pede que o governo do estado tome providências para restringir o acesso aos municípios da região.

“O Estado está adotando medidas para antecipar feriados para esta semana, de seis dias consecutivos, e com isso as pessoas podem se locomover para cá. Essa é a nossa preocupação, que isso aumente a quantidade de pessoas e turistas aqui”, diz.

Bloqueio na entrada da balsa Santos- Guarujá, no dia 11 de abril - Adriano Vizoni - 11.abr.20/Folhapress

A Prefeitura de Guarujá, gestão Válter Suman (PSB), pediu ao governo estadual autorização para ampliar a barreira sanitária de contenção de veículos de visitantes que a cidade já realiza desde o final de março.

A ideia é substituir cinco pontos de bloqueio por um único, entre os kms 2 e 3 da rodovia Cônego Domenico Rangoni. "O objetivo é garantir maior controle operacional e eficiência da fiscalização durante a pandemia da Covid-19", diz a prefeitura.

A maioria das cidades da região manterá, durante o feriado prolongado, as restrições de acesso à praia. Algumas delas também bloqueiam atividades nos calçadões.

As exceções são as cidades de Praia Grande e São Vicente que permitem a prática do surfe, em um horário restrito, durante às manhãs, se praticado individualmente.

Nas cidades de Mongaguá, Itanhaém, Peruíbe, Itariri e Pedro de Toledo, o Ministério Público conseguiu uma liminar para barrar as rodovias que dão acesso aos municípios de durante o megaferiado.

Litoral norte

As cidades do litoral norte também se movimentam para evitar que turistas da capital acabem utilizando o feriado prolongado para ir em grande quantidade para a região.

O prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto (PSDB), reclamou do megaferiado, na capital paulista, e disse que isso pode prejudicar as medidas da cidade em relação ao combate à disseminação do novo coronavírus.

"É sacanagem. Um megaferiado em São Paulo, vai ficar todo mundo fechado em casa em São Paulo? Vai dizer que vai ficar na janela olhando?. Brincadeira, vão vir todos para cá", disse.

Em nota, a Prefeitura de São Sebastião afirma que avalia as medidas cabíveis que possam ser aplicadas no município, durante o feriadão na cidade de São Paulo aprovado pela Câmara Municipal.

"Atualmente, a prefeitura permanece com fiscalização continua do funcionamento do comércio, barreiras sanitárias, bloqueios educativos e orientação geral da população em praias e demais áreas públicas, para garantir o cumprimento de decretos de distanciamento social e diferentes determinações buscando evitar aglomerações.

As demais cidades do litoral norte afirmam que pretendem seguir com as restrições de acesso às praias e aos calçadões.

Moradores de São Sebastião, no litoral norte, fazem barreira em estrada para evitar turismo - Helton Romano

Enquanto as prefeituras estão impossibilitadas legalmente de fechar os acessos às cidades, moradores de Barra do Una, praia em São Sebastião, bloquearam no início da noite desta terça-feira (19), um trecho da rodovia Rio-Santos, utilizando madeiras e restos de construção.

Segundo os manifestantes, o bloqueio ocorreu para evitar a chegada de turistas à cidade. Apesar da tentativa de impedir a entrada de turistas para, segundo eles, evitar a propagação do coronavírus, a maioria não usava máscaras e estava aglomerada no acostamento. Em Juquehy, outra praia da mesma região de São Sebastião, moradores também bloquearam totalmente a Rio-Santos e atearam fogo na pista.

A Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) afirma que irá coordenar ações educativas em parceria com as vinte concessionárias que integram o Programa de Concessão de Rodovias do Governo do Estado de São Paulo.

Em nota, o governo de São Paulo, gestão João Doria (PSDB), diz que irá apoiar as prefeituras de cidades litorâneas e de estâncias turísticas que desejarem realizar ações de restrição de acesso nos próximos dias.

"O estado oferecerá o apoio que venha a ser solicitado pelos prefeitos para implantação das barreiras de acesso e conscientização dos turistas", afirma o texto.

Medidas adotadas nas cidades

Cidade Medida
Santos Acesso à praia e ao calçadão proibidos
Praia Grande Na praia permitida apenas a prática do surfe entre 5h e 8h; circulação no calçadão não está proibida
São Vicente Na praia permitida apenas a prática do surfe entre 6h e 10h; circulação no calçadão não está proibida
Peruíbe Acesso à praia proibido
Guarujá Acesso à praia proibido e calçadão permitido
Ubatuba Acesso à praia proibido
Caraguatatuba Acesso à praia proibido
São Sebastião Avalia medidas
Ilha Bela Acesso à praia e calçadão proibidos

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.