Descrição de chapéu Coronavírus

Sapopemba tem disparada em número de mortes por Covid

Em menos de dez dias, bairro na zona leste tem mais 40 óbitos registrados pela prefeitura de São Paulo

Fábio Munhoz
São Paulo

O distrito de Sapopemba, na zona leste, registrou um aumento de 19,51% no número de óbitos provocados pela Covid-19 entre os dias 27 de maio e 5 de junho, conforme balanço divulgado nesta semana pela Secretaria Municipal da Saúde, gestão Bruno Covas (PSDB).

Sapopemba com 245 mortes encostou na Brasilândia em número absoluto de óbitos por Covid-19 em São Paulo
Sapopemba com 245 mortes encostou na Brasilândia em número absoluto de óbitos por Covid-19 em São Paulo - Rivaldo Gomes/Folhapress

No dia 5 deste mês, Sapopemba registrava 245 mortes relacionadas ao novo coronavírus —40 a mais do que as 205 contabilizadas até o dia 27. Com isso, o distrito da zona leste encostou ainda mais na Brasilândia (zona norte), que lidera o ranking de óbitos por Covid-19 na capital.

A Brasilândia somava 247 vítimas até o dia 5. Em 27 de maio, eram 209 óbitos —o aumento, portanto, foi de 18,2%. Os outros três distritos que apresentam maior número de mortes também estão nas periferias da capital: Grajaú (215), Jardim Ângela e Capão Redondo, ambos com 197 registros. Os três bairros ficam no extremo sul da cidade.

Para o infectologista Robert Fabian Crespo Rosas, professor do Centro Universitário São Camilo, alguns fatores contribuem para que a periferia apresente altos números de mortes pelo novo coronavírus. Em primeiro lugar, diz o médico, está o fato de que muitas pessoas em regiões mais carentes atuam como autônomas e, por esse motivo, precisam sair para trabalhar e obter alguma renda.

“Nesse contato com outras pessoas, os moradores da periferia acabam se contaminando e levando o vírus para casa”, explica. Rosas considera também o fato de que, em bairros mais pobres, muitas vezes não há condições adequadas de saneamento básico, o que dificulta a higienização.

Proporção

No ranking de óbitos por 100 mil habitantes na cidade, o Pari, na região central, assumiu a primeira posição, com um índice de 125,86. O Campo Belo, área nobre na zona sul, está em segundo lugar, com 117,66 mortes por 100 mil habitantes.

Em seguida estão Brás (114,99), Limão (114,24) e Artur Alvim (113,48).

Como comparação, os Estados Unidos, que lideram o ranking mundial de óbitos ligados ao novo coronavírus, com 111,7 mil registros, apresentam uma taxa de 34,05 mortos por 100 mil habitantes.

MORTES POR COVID - DISTRITOS DE SP

Onde há mais casos

Distrito Mortes
Brasilândia (zona norte) 247
Sapopemba (zona leste) 245
Grajaú (zona sul) 215
Jardim Ângela (zona sul) 197
Capão Redondo (zona sul) 197
Jardim São Luís (zona sul) 195
Cidade Ademar (zona sul) 193
Sacomã (zona sul) 177
Tremembé (zona norte) 177
Itaquera (zona leste) 164

Mortes por 100 mil habitantes

Distrito Habitantes Mortos Mortos por 100 mil habitantes
Pari (centro) 19069 24 125,86
Campo Belo (zona sul) 63744 75 117,66
Brás (centro) 33045 38 114,99
Limão (zona norte) 79657 91 114,24
Artur Alvim (zona leste) 100462 114 113,48
Freguesia do Ó (zona norte) 140083 154 109,93
Belém (zona leste) 49213 54 109,73
Água Rasa (zona leste) 82564 89 107,8
Cachoeirinha (zona norte) 146387 156 106,57
Casa Verde (zona norte) 86004 90 104,65


Fonte: Prefeitura de São Paulo

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.