Cartazes resumem o espírito da Mostra de Cinema ano a ano

Veja os pôsteres da primeira edição, em 1977, à deste ano, a 45ª do festival

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Cartazes da edição deste ano, a 45ª da história (à esq.), e do primeiro festival, realizado em 1977 (à dir.) - Fotos Divulgação
São Paulo

Tão aguardados quanto a programação da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, seus cartazes são uma tradição e, a cada ano, resumem o espírito do festival, que em 2021 chega à sua 45ª edição, a ser realizada de 21 de outubro a 3 de novembro.

"Os cartazes sempre têm uma ligação com a programação do ano ou com o que está acontecendo na sociedade. E há sempre uma história por trás de cada um", diz Renata Almeida, diretora da Mostra. Na primeira edição, realizada em 1977, o pôster foi elaborado pelo idealizador do festival, Leon Cakoff.

Nos anos seguintes, a organização passou a convidar artistas e cineastas para elaborar os cartazes.Federico Fellini, Tomie Ohtake, Martin Scorsese, Angeli, Pedro Almodóvar, OsGemeos, Hector Babenco, Mauricio de Sousa e Akira Kurosawa são alguns dos artistas que assinaram pôsteres da Mostra.

O da 45ª edição é do cartunista Ziraldo. "Já pensava em convidá-lo, mas faltava um gancho. E neste ano, temos um filme sobre o Ziraldo na programação. Foi o ano perfeito para fazer a homenagem", diz Renata. O longa que estará na Mostra é o documentário "Ziraldo, Era uma Vez um Menino", dirigido por Fabrizia Pinto, com música de Antonio Pinto, filhos do artista.

O cartaz resgata um desenho de Ziraldo feito nos anos 1970 em que seu alter ego, o viajante espacial, está admirando estrelas e planetas. O que, no ponto de vista da Mostra, também pode ser o público admirado assistindo aos filmes da programação.

Para Renata, a opção de se fazer um novo cartaz a cada ano --que acontece em outros festivais, como Cannes-- pode não ser vista como uma boa estratégia de marketing, pois não há uma marca única para ser repetida nas edições ano a ano.

"Mas o pôster da Mostra é diferente, cria uma expectativa, transmite o perfil do ano e da programação, o público sempre comenta. Há anos em que todos gostam, outros nem tanto. O deste ano foi uma unanimidade", afirma.

E os pôsteres ficam na memória do público. Renata diz que é comum frequentadores da Mostra lembrarem o que aconteceu no ano de determinado cartaz. "Eles fazem parte da vida do público, trazem lembranças", diz a diretora da Mostra.

45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo
De 21 de outubro a 3 de novembro, com sessões presenciais e online. Site 45.mostra.org

Os dois cartazes da 34ª Mostra Internacional de Cinema: o de Win Wenders (à esq.) e o de Kurosawa (à dir) - Fotos Divulgação

Ano com dois pôsteres foi o mais marcante para diretora

Para Renata Almeida, o cartaz mais marcante da Mostra foi o da 34ª edição, em 2010, único ano em que o festival teve dois pôsteres. Também foi o último em que o criador Leon Cakoff participou integralmente da Mostra --ele morreria no ano seguinte, poucos dias antes do início da 35ª edição.

"O cartaz escolhido era o do Wim Wenders [veja ao lado], mas a programação incluía uma exposição de storyboards do diretor Akira Kurosawa. Tínhamos de contemplar isso no cartaz. E surgiu a ideia de termos dois pôsteres", conta Renata. "Escolhi uma imagem do Kurosawa em que um anjo leva um homem em uma avenida, que achei parecida com a Paulista. Após a morte do Leon, isso pareceu algo meio premonitório", diz.

​Passaporte da vacina será exigência

Depois de uma edição totalmente online, a Mostra retoma este ano as sessões presenciais, embora mantenha boa parte da programação disponível no site. Na seleção estão 264 filmes, 40 deles brasileiros, com exibição online e em salas de cinema, no vão livre do Masp e no vale do Anhangabaú.

Para garantir a segurança do público, os cinemas exibidores dos filmes da Mostra vão exigir o passaporte da vacina e o uso de máscara também será obrigatório. Haverá ainda um intervalo de 30 minutos entre cada sessão para a higienização das salas.

Inicialmente, as salas teriam 50% de ocupação. No entanto, com o fim da exigência da Prefeitura de SP de distanciamento social, a Mostra afirmou neste sábado (16) que cada exibidor vai estabelecer o critério de capacidade.

"O público da Mostra e do circuito que faz a Mostra ainda está com medo. Mas a realidade deste ano é diferente, a maior parte da população já está vacinada. Vamos dar segurança para esse público", diz a diretora Renata Almeida.

​Ela ressalta a importância da Mostra para a cidade de São Paulo e para a volta do público aos cinemas neste momento da pandemia. “A Mostra pode ajudar os cinemas a retomar o público. Vamos fazer essa experiência. Ela é da cidade, tem de contribuir com os exibidores, com o comércio vizinho”, afirma

Hanuska Bertoia
Hanuska Bertoia

49 anos, é formada e pós-graduada em jornalismo. Gosta de ver filmes em qualquer plataforma (TV, celular, tablet), mas não dispensa uma sala de cinema tradicional.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.