Luta contra o vício

Os resultados da política de drogas no programa criado pelo ex-prefeito e atual governador de São Paulo, João Doria (PSDB), não são lá muito animadores.

Cerca de 10 mil usuários passaram pelo programa Redenção e foram acolhidos em hospitais psiquiátricos da capital nos últimos dois anos. Desse total, 56% desistiram do tratamento e 54% acabaram novamente internados em instituições de saúde mental.

Apenas 3% deles aderiram de fato ao tratamento --ou seja, mantiveram-se internados até receberem alta. Depois, foram encaminhados para atendimento com médicos e remédios.

Como não houve acompanhamento desses pacientes no período, não se sabe quantos realmente se afastaram das drogas e se reintegraram à sociedade.

Bruno Covas (PSDB), sucessor de Doria, anunciou nova fase do programa. Ele chegou a falar em mais internações involuntárias (à revelia dos dependentes), o que estaria mais em linha com a orientação do governo Jair Bolsonaro (PSL).

O modelo nacional facilita a reclusão compulsória e transfere do usuário e de sua família para o médico a decisão sobre interromper ou não a internação. Também prioriza a abstinência como solução, excluindo como terapia possível a chamada redução de danos, pela qual se tenta controlar aos poucos o consumo arriscado de drogas para obter ganhos na saúde do paciente.

O exemplo de países desenvolvidos mostra que não há estratégia única na luta contra o vício. O melhor caminho parece ser o de deixar a internação forçada só para os casos mais graves.

A prefeitura paulistana, felizmente, dá sinais de compreender o tamanho do problema e considerar mais opções.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.