Descrição de chapéu Opinião

Caneladas do Vitão: Timão mais perto da final...

Vitor Guedes
São Paulo

É festa, é festa na favela, alegria do povão, chegou o grande dia, vai para cima, Coringão... Alô, povão, agora é fé! Com o apoio ininterrupto e decisivo da Fiel (39.919 pagantes), disciplina tática, boa marcação e inspiração de Clayson, o craque do jogo e o autor do gol da vitória, o Corinthians superou a falha de Cássio (que tem muito crédito!) no gol peixeiro, mereceu vencer o Santos por 2 a 1 e está mais perto do que o rival da decisão do Campeonato Paulista. Mas a vaga à final está aberta.

Se clássico se ganha nos detalhes, o Corinthians ganhou o confronto em vários aspectos. Antes mesmo de a bola rolar, fora de campo, a diretoria foi muito bem e merece aplausos por lembrar da Democracia Corinthiana na data em que se completava 55 anos do Golpe de 1964 (que jamais deve ser comemorado). Se a Fiel se fez presente e a direção honrou a tradição, dentro de campo comissão técnica e jogadores fizeram bem as suas partes. 

O zagueiro corintiano Manoel se atira para desviar a bola de cabeça e abrir o placar para o Timão contra o Santos, no Itaquerão
O zagueiro corintiano Manoel se atira para desviar a bola de cabeça e abrir o placar para o Timão contra o Santos, no Itaquerão - Rodrigo Coca/Ag. Corinthians/Divulgação

Se havia dúvida entre Jadson e Sornoza, Fábio Carille acertou ou, ao menos, mostrou ter estrela em optar por Sornoza: logo no primeiro lance, o equatoriano bateu uma falta venenosa, que Manoel completou para a rede. O Peixe, que teve o controle da posse de bola, mas em nenhum momento soube o que fazer com ela, igualou após Cássio falhar feio, não cortar escanteio e oferecer o 1 a 1 a Derlis González. Mas nem Cássio nem o time nem a torcida sentiram o golpe, e Clayson fez o golaço que recolocou o time do povo à frente ainda na primeira etapa.

No segundo tempo, em desvantagem, Jorge Sampaoli trocou o inexistente Cueva pelo atacante Rodrygo e centralizou Carlos Sánchez, que ficou perdido pelo canto na etapa inicial, e Carille manteve a formação que venceu a primeira etapa. Outras trocas aconteceram, mas, à vera, nada que justificasse a alteração do placar. Vitória justa e incontestável do Corinthians! O Peixe vai ter de jogar muito mais no Pacaembu...

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL. É tudo nosso! É nóis na banca!

Seleção das semifinais do Paulista
Seleção das semifinais do Paulista - arte Agora
Selelama das semifinais do Paulista
Selelama das semifinais do Paulista - arte Agora

Olha o Dérbi aí...

O São Paulo nunca pontuou no Allianz Parque (0% de aproveitamento), o Corinthians nunca foi eliminado em um mata-mata semifinal para o Santos... A torcida tricolor e a galera peixeira, óbvio ululante, esperam pelo fim das respectivas escritas, mas Corinthians, que venceu como mandante, e Palmeiras, que empatou como visitante, estão mais perto da final do que estavam antes dos jogos de ida!

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.