Descrição de chapéu Opinião

Claudinei Queiroz: Na sombra das potências

São Paulo

A diferença de um país que possui tradição esportiva, como EUA e China, para os que almejam um dia chegar a este patamar, como o Brasil, está, geralmente, no quadro de medalhas das competições. Mas outro fator também deixa clara a diferença entre eles: a formação das novas gerações.

Flávia Saraiva é a destaque brasileira no Mundial de Stuttgart e ficou em sétimo na disputa do individual geral
Flávia Saraiva é a destaque brasileira no Mundial de Stuttgart e ficou em sétimo na disputa do individual geral - Ricardo Bufolin/CBG/Divulgação

Um exemplo claro disto pôde ser visto no Campeonato Mundial de ginástica artística, que está sendo realizado em Stuttgart (ALE). Enquanto as seleções femininas dos EUA e da China possuem caras novas que mantiveram o alto nível do país no Mundial, a brasileira acabou fora da Olimpíada de Tóquio-2020 porque três ginastas se machucaram.

A melhor delas, Rebeca Andrade, era a grande esperança do país, mas precisou ser operada no joelho direito e está afastada. Jade Barbosa, a mais experiente do grupo em Stuttgart, também lesionou o joelho na primeira prova, no salto. E Carolyne Pedro foi cortada na véspera das disputas.

Com isso, as substitutas não conseguiram manter o ritmo e o Brasil ficou apenas no 14º lugar na prova por equipes, duas acima do posto necessário para a vaga.

Apenas Flávia Saraiva competiu em alto nível e se classificou para as finais do individual geral —na qual ficou em sétimo—, do solo e da trave. Ela também se garantiu em Tóquio-2020.

Se o país tivesse cultura de formação de atletas desde o colégio e uma política pública que garantisse esse trabalho, certamente haveria opções para a seleção continuar em alto nível, já que desde os Jogos de Atenas-2004 que a equipe completa se classificava.

Só para se ter uma ideia, a ginástica artística feminina dos EUA possui atualmente 79 atletas que competem na elite, com condições técnicas de defender a equipe nacional a qualquer momento. No Brasil, a confederação trabalha com apenas nove atletas na seleção. Pode até haver mudanças semestrais, mas as opções são poucas. 

E o resultado final certamente não seria o mesmo se o grupo estivesse completo. Infelizmente, esse é o cenário do esporte no Brasil.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.