Num inferno astral sem fim, Timão cai e deixa o G-6 do Brasileirão

Em mais uma partida fraca tecnicamente, Corinthians perde para o CSA e aumenta a pressão sobre o técnico Fábio Carille

Claudinei Queiroz
São Paulo

Em um confronto em que o Corinthians tinha tudo para acabar com a má fase e voltar a vencer, o resultado foi o oposto. Muito mal tecnicamente, como nos jogos anteriores, o Timão perdeu por 2 a 1 para o CSA, o segundo pior ataque do Brasileirão, e deixou o G-6, que dá vagas na Libertadores-20.

Com a sétima rodada sem vitórias (4 empates e 3 derrotas), a equipe paulista foi ultrapassada pelo Grêmio e caiu para sétimo, aumentando seu inferno astral.

Fagner se livra de Apodi, atacante do CSA, que foi um tormento para o Corinthians no estádio Rei Pelé
Fagner se livra de Apodi, atacante do CSA, que foi um tormento para o Corinthians no estádio Rei Pelé - Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians/Divulgação

Em um primeiro tempo muito fraco tecnicamente, o Corinthians foi completamente dominado pelo anfitrião. Todas as jogadas tentadas na armação eram infrutíferas. Sornoza, na esquerda, não acertava passes, chutes ou cruzamentos. Pedrinho, na direita, era bem marcado por Euller.

O CSA, ao contrário, conseguia chegar ao gol de Cássio em jogadas rápidas. Foi assim que Apodi abriu o placar aos 24min. Sornoza lançou a bola para frente, João Vitor rebateu, Jonatan Gomez pegou a bola e lançou para Apodi, que ganhou de Fagner e bateu rasteiro no canto direito, sem chance de defesa para Cássio.

Quando parecia que o primeiro tempo acabaria sem os corintianos acertarem o gol de João Carlos, Pedrinho achou o gol de empate, aos 44min.

Fagner cobrou lateral para Clayson perto da linha de fundo. Livre, o atacante cruzou, Gustagol desviou de cabeça e a bola caiu nos pés de Pedrinho. O garoto bateu forte no canto direito.

Nascido em Maceió, Pedrinho se emocionou na saída de campo. "Fico muito emocionado. A gente que é alagoano sabe o que passa para chegar no futebol. Fico muito feliz de fazer um gol aqui em Maceió. Foi onde nasci, meus familiares estão todos aqui, fazer um gol aqui é muito especial. Quero falar para a rapaziada de Maceió que nunca desista", falou o meia-atacante.

No intervalo, além de substituir Sornoza por Mateus Vital, o técnico Fábio Carille deve ter dado uma bronca no time, que voltou mais ligado e logo de cara teve boas chances na frente.
Até pela fraquíssima atuação de Sornoza no primeiro tempo, Vital deu nova dinâmica ao Timão. Tanto que os outros jogadores também melhoraram. 

Mas foi só fogo de palha, sem real perigo. Em pouco tempo o CSA voltou a equilibrar as ações e marcou o segundo, com Ricardo Bueno em cobrança de escanteio. Nova ducha de água fria na Fiel e em Fábio Carille, que se vê cada vez mais pressionado no cargo.

E para piorar, na próxima rodada o Timão terá pela frente o líder Flamengo, que está voando...

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.