Descrição de chapéu Imposto de Renda

Escape da malha fina da Receita Federal

O erro mais comum é deixar de informar uma fonte de renda

Uma novidade neste ano é que os contribuintes poderão saber, em 24 horas, se foram encontradas pendências. Para isso, é preciso estar cadastrado no e-CAC, que é o centro de atendimento virtual da Receita.

Ilustração Guia do IR 2019 Agora
Ilustração Guia do IR 2019 Agora - Max Francioli

Como acompanhar o extrato de sua declaração

Como fazer a consulta


Para quem não tem código de acesso

  • Vá em “Saiba como gerar o código de acesso”
  • Será preciso informar nome completo, CPF, número dos recibos das duas últimas declarações
  • Crie uma senha e, depois, acesse novamente o sistema


Para quem já tem o código de acesso

  • Informe CPF, código de acesso e senha
  • Vá em “Meu Imposto de Renda (Extrato da DIRPF)”, no lado esquerdo, acima
  • O sistema mostrará as informações sobre a declaração de cada ano
  • Não esqueça que a prestação de contas equivale ao ano anterior ao que está sendo mostrado


Algumas situações que podem aparecer:

Não entregue
O IR ainda não foi entregue e não passou pelos computadores da Receita Federal

Processada
O IR foi entregue e processado; a restituição foi paga pela Receita

Omisso de DIRPF
O contribuinte deveria ter declarado e não declarou


Erros podem ser encontrados em até cinco anos
Mesmo que a declaração tenha sido processada e a grana da restituição, paga, o contribuinte pode cair na malha fina
O motivo é que há prazo de cinco anos para que a Receita faça a checagem


Principais erros
Em 2018, as falhas que mais levaram à malha fina foram:

  1. Não declarar os rendimentos do titular ou seus dependentes
  2. Divergências entre o IR retido na fonte informado pelo contribuinte e pela empresa
  3. Despesas médicas


Outras razões que costumam dar malha

  • Erro de digitação ao informar renda (dígito errado ou a menos)
  • Prêmios de loteria não declarados
  • 600 mil contribuintes, aproximadamente, caíram na malha fina no ano passado


Quando a grana cai na conta

  • Quem não cair na malha fina receberá os valores da restituição conforme o calendário de pagamentos da Receita Federal
  • O primeiro lote é destinado aos contribuintes prioritários, que são idosos acima de 60 anos, doentes graves, deficientes e professores cuja maior fonte de renda é o magistério
     

Calendário da restituição

Lote  Data do depósito
17 de junho
15 de julho
15 de agosto
16 de setembro
15 de outubro
18 de novembro
16 de dezembro

Fonte: Receita Federal

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.