Trabalhador usará FGTS para pagar conta, carro e faculdade

Quitar dívida e investir são melhores opções, diz especialista; calendário será divulgado amanhã

Laísa Dall'Agnol
São Paulo

A grana do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) que será liberada a partir de setembro pode ser considerada um leve respiro de alívio para o bolso de muitos brasileiros.

Pelas regras, os trabalhadores poderão sacar até R$ 500 de saldo em cada conta vinculada, seja ela ativa ou inativa. A medida, usada para aquecer a economia através do estímulo ao consumo, prevê injetar, até 2020, R$ 42 bilhões. Segundo a CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens), o percentual de famílias endividadas cresceu pelo sétimo mês seguido em julho, chegando a 64%.

É o caso da auxiliar administrativa Luciana Simão, 47 anos. Ela está com as contas de água e luz em atraso e pretende usar o valor a ser liberado para pagar parte das dívidas. “Dividi a conta da Sabesp, de R$ 400, em duas vezes. Este mês, só a luz ficou em R$ 286. O FGTS vai ser usado nestas despesas”, afirma a trabalhadora. 

Márcio Wu, professor de finanças da Fecap, explica que liquidar as dívidas deve ser a prioridade de quem terá a “ajudinha” do FGTS.

“É preciso por na ponta do lápis quais são as contas mais emergenciais. Lembrando que, no caso do cartão de crédito e do cheque especial, as multas por atraso são sempre altas.”

O instrutor de treinamento e estudante de engenharia José Paulo Cavalcanti, 26, vai usar o dinheiro para ajudar a pagar a mensalidade da faculdade. “Tenho duas contas inativas, vou sacar uns R$ 1.000. Foi um bônus que veio em boa hora”, comemora ele.

Já o assistente administrativo Wilson Nascimento, 30, diz que vai aproveitar a grana para pagar uma prestação do carro financiado. “Faltam seis parcelas, vai dar uma ajudada boa”, diz.

Para o professor de finanças, se o dinheiro, que é um extra, vai ser usado para quitar despesas mensais, é preciso rever o orçamento.

“Provavelmente está acontecendo um desequilíbrio. Organize-se e comece cortando os supérfluos.”

Já para quem não tem dívidas, mas ainda não sabe o que fazer com o valor, o professor aconselha a investir.

"É melhor sacar o dinheiro para investir, tentando optar pelas opções mais rentáveis. Sem falar que há um prazo para o saque. Aplicando o dinheiro, você consegue resgatá-lo em curto ou médio prazo. Já o FGTS, se não sacado no período, vai ficar preso lá”, afirma.

Calendário de pagamentos sai amanhã

O calendário de pagamentos da grana do FGTS e das cotas do PIS será divulgado nesta segunda-feira (5), segundo confirmou a Caixa Econômica Federal.

Também serão informados os canais e critérios para recebimento dos valores, além de como vai ser a força-tarefa da operação. Conforme já foi anunciado, há uma intenção de que as agências fiquem abertas aos sábados, como já aconteceu em outras ocasiões, e também aos domingos.

Segundo o presidente do banco, Pedro Guimarães, a previsão é que sejam 97 milhões de beneficiados, contra 25 milhões em 2017, quando o ex-presidente Temer liberou o saque integral das contas inativas. Para quem tem conta-poupança na Caixa, o depósito será feito de forma automática.

Quem não quiser o dinheiro, poderá pedir a devolução dos valores.

Os trabalhadores podem consultar o saldo da sua conta do FGTS no site da Caixa, nas agências do banco ou no aplicativo gratuito FGTS.

Caso fique com dúvidas, é possível entrar em contato com a Caixa pelo telefone 0800-7260207.

Especialistas dão dicas de como investir

Segundo especialistas, quem sacar mais de R$ 1.000, já que o governo vai liberar R$ R$ 500 de cada conta, seja ela ativa ou inativa, deve pesquisar títulos com maiores rentabilidades.

Esses produtos obrigam que o cliente faça a aplicação por um tempo maior, mas também rendem mais.

Abrindo uma conta numa corretora, além dos títulos públicos, a pessoa vai ter acesso a títulos privados como CDBs (Certificados de Depósito Bancário), por exemplo. 

 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.