Confira cinco dicas para gastar menos do que ganha

Famílias precisam identificar os fatores que compõem o custo de vida

Everton Menezes
São Paulo

Em tempos de crise, o brasileiro faz o que pode para equilibrar o orçamento em casa. Se a situação aperta, o jeito é cortar os gastos.

Segundo a gerente-executiva da Serasa Experian, Andrea Regina, é preciso fazer uma planilha de orçamento. “Tem que identificar o que sai e o que entra nesse período difícil. Então, nada de gastos desnecessários.”

Discutir a situação financeira dentro em casa é outra atitude fundamental para deixar as finanças em dia. Tudo deve ser planejado coletivamente, com transparência.

“A mudança não pode partir de uma única pessoa. Todos devem participar. E nada de colocar o problema debaixo do tapete.”

Mariana Congo, educadora financeira da empresa Magnetis Gestora em Investimento Digital, diz que é importante compreender que existem diferentes custos para cada família, dependendo da situação vivida em cada momento.

São valores, estilos e rendas diferentes, além de mudanças, como a chegada dos filhos ou a aposentadoria.

Segundo ela, o custo de vida deve incluir todas despesas, como bens e serviços necessários para viver conforme a necessidade.

O Agora resumiu as orientações dos especialistas em finanças em cinco dicas para quem precisa gastar menos. Confira:

  1. Realize um estudo detalhado de todos os gastos envolvidos na rotina da família
  2. Após listar as despesas, defina quais são os gastos considerados indispensáveis
  3. Procure saber quais fatores estão aumentando suas despesas e reduzindo seus ganhos
  4. Depois de entender o que compõe o seu custo de vida, defina o que pode ser cortado
  5. Continue sempre fazendo pequenos ajustes nos hábitos de consumo da família 

Os gastos também são diferenciais quando se analisa a cidade em que se vive, lembra ela, pois entram na soma valores diversos para para moradia, alimentação, transporte, saúde, lazer e bem-estar.

O custo de vida em São Paulo é 38% maior do que em Belo Horizonte, por exemplo. Viver no Rio pode ser 28% mais caro do que em Ribeirão Preto, no interior paulista.

Trabalhador deve refletir sobre compras e planejar seus gastos

Segundo a educadora financeira Mariana Congo, a maioria das pessoas gasta em coisas desnecessárias e não percebe, justamente porque não faz o controle do orçamento doméstico.

É o caso da TV a cabo, cujo plano pode ser trocado por um mais barato. Para ela, com planejamento, é possível ter até mais qualidade de vida.

“Isso significa ficar longe das compras por impulso. Pergunte sempre se você está fazendo a escolha mais eficiente. Essa reflexão ajuda”, ensina Mariana.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.