Datafolha aponta que 52% não querem retirar grana do FGTS

Segundo a pesquisa, 45% dos brasileiros com conta ativa ou inativa sacarão até R$ 500 do fundo

São Paulo

Menos da metade dos brasileiros que tem conta ativa ou inativa do FGTS (45%) pretende sacar até R$ 500 do fundo, segundo pesquisa do Datafolha. 

Ainda de acordo com o levantamento, 52% não querem retirar o dinheiro e 2% não sabem.

Para a nova regra, que entra em vigor em 2020 e permite sacar parte do saldo do FGTS anualmente, a adesão é menor. Apenas 27% dos brasileiros com contas querem usar o saque-aniversário, 67% não querem e 6% não sabem. 

O levantamento foi realizado entre 29 e 30 de agosto de 2019, com 2.878 entrevistados, em 175 municípios de todas as regiões do país. 

A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

 
A pesquisa apontou ainda que a maioria dos brasileiros (61%) não tem conta ativa ou inativa do FGTS —apenas 36% têm e 3% não sabem.

A parcela de brasileiros com conta é maior para homens (41%) do que para mulheres (31%). A taxa também é mais alta entre pessoas de 25 a 34 anos (52%) e 35 a 44 anos (47%). Já o menor índice se encontra entre os brasileiros acima de 60 anos (13%). 

O Nordeste e o Norte são as regiões com a menor parcela de pessoas com contas: 25% e 26%, respectivamente. 

O índice aumenta de acordo com a escolaridade. Entre brasileiros com ensino fundamental, é de 23%, taxa que passa para 49% para os que têm formação superior. 

Por outro lado, os mais pobres são os que menos têm contas do FGTS —apenas 28%, entre brasileiros com renda familiar mensal menor que dois salários mínimos.

Dentre as pessoas com conta ativa ou inativa, a disposição para sacar até R$ 500 do fundo é maior entre os desempregados que estão procurando trabalho (63%) e freelancers (62%). 

Segundo a pesquisa, as donas de casa são as mais inclinadas a adotar o modelo de saque-aniversário (45%), dentre as pessoas com conta ativa ou inativa.

Mais de 4,5 milhões de paulistas estão com dívidas de até R$ 500

Mais de 4,5 milhões de pessoas em São Paulo têm dívidas em atraso de até R$ 500. No país, o número chega a 23 milhões, segundo levantamento da Serasa Experian.

Em média, essas pessoas têm duas contas atrasadas e negativadas que, juntas, somam até R$ 500, valor que o governo vai liberar para o saque do FGTS a trabalhadores com conta no fundo.

Caso optem por regularizar sua situação financeira, cerca de 39 milhões de dívidas em aberto e negativadas vão sair do cadastro de inadimplentes da Serasa.

Para educadores do SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) Brasil, os recursos do FGTS devem ter como destino a quitação de dívidas.

“R$ 500 podem parecer pouco para alguns, mas é praticamente a metade de um salário mínimo. Para quem está com contas em atraso, esse recurso extra poderá aliviar o bolso”, afirma Roque Pellizzaro Junior, presidente do órgão.

Fundo de Garantia começa a ser liberado neste mês

O saque do FGTS começa a cair na próxima semana na conta de quem tem poupança na Caixa. A partir de 13 de setembro, até R$ 500 de cada conta do fundo serão depositados automaticamente na poupança.

Quem não tem conta no banco poderá sacar o dinheiro a partir de outubro, conforme a data de aniversário. Ao fim dos saques, que vão até 2020, o governo estima que R$ 40 bilhões serão injetados na economia. 

A maioria dos trabalhadores, no entanto, vai utilizar o dinheiro para pagar dívidas. Segundo pesquisa da XP Investimentos, 41% dos 1.000 entrevistados disseram que iriam usar o FGTS para quitar débitos.

Três em cada dez planejam comprar celular

Segundo levantamento do Google com 1.500 pessoas, 15% pretendem usar o FGTS para comprar produtos. Dentre elas, 30% planejam adquirir um celular.

Com R$ 500, é possível comprar um smartphone de até 16 GB de armazenamento. Visando o consumo com os saques, as varejistas preparam ações. 

Na última segunda (26), o Magazine Luiza disponibilizou cupons de desconto de R$ 500 em seu aplicativo para bens com as iniciais FGTS: fogões, geladeiras, televisores e smartphones.

Agências de turismo também embarcaram na oportunidade e oferecem pacotes com desconto. De acordo com a pesquisa feita pelo Google, 6% pretendem usar o dinheiro para viajar.

Saque do FGTS | Fuja do endividamento

  • Mais de 4,5 milhões de pessoas em São Paulo têm dívidas em atraso de até R$ 500

  • Esse é o valor que foi liberado pelo governo federal para o saque imediato do FGTS, que começará neste mês

  • Todo trabalhador pode fazer a retirada das contas ativas (emprego atual) e inativas (empregos anteriores)

​Inadimplentes

  • Ao todo, 23 milhões de pessoas no país terão condições de quitar suas dívidas com o dinheiro dos saques de até R$ 500

  • Em média, elas têm duas contas atrasadas e negativadas, que juntas somam até R$ 500

  • Em São Paulo, são mais de 4,5 milhões de consumidores nesta situação

  • Caso optem por regularizar as pendências, 39 milhões de dívidas em aberto e negativadas vão sair do cadastro de inadimplentes da Serasa

Dívidas

  • Em agosto, o número de negativados no Brasil aumentou 1,73% na comparação com julho de 2018

  • Entre os idosos, o crescimento foi de 7,44%

Quando o FGTS será liberado

  • Para clientes da Caixa, a grana começará a ser paga neste mês

  • A permissão para retirada será de acordo com o mês de nascimento

  • O saque imediato ficará disponível até o dia 31 de março de 2020

Quem não é cliente da Caixa terá o valor liberado nas seguintes datas:

* Correntistas que não transferiram os valores terão de seguir este calendário

Mês de nascimento Data de início
Janeiro 18 de outubro de 2019
Fevereiro 25 de outubro de 2019
Março 8 de novembro de 2019
Abril 22 de novembro de 2019
Maio 6 de dezembro de 2019
Junho 18 de dezembro de 2019
Julho 10 de janeiro de 2020
Agosto 17 de janeiro de 2020
Setembro 24 de janeiro de 2020
Outubro 7 de fevereiro de 2020
Novembro 14 de fevereiro de 2020
Dezembro 6 de março de 2020

Para saber quanto tem na conta

Fontes: Caixa Econômica Federal, SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) Brasil e Serasa Experian

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.