Veja se vale a pena optar pelo novo saque do Fundo de Garantia

Especialistas recomendam usar o dinheiro do fundo para pagar dívidas e investir

Ana Paula Branco
São Paulo

O saque anual do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), anunciado nesta quarta (24) pelo governo federal, pode não ser boa opção para todos que têm grana no fundo.

De acordo com especialistas, o recurso vai valer realmente a pena para trabalhadores endividados ou que estão a pouco tempo no mercado de trabalho.

Quem optar pela nova modalidade, batizada de saque-aniversário, não terá mais a liberação do FGTS na demissão sem justa causa. Neste caso, o profissional continuará apenas com direito à multa de 40%.

A escolha pelo novo modelo de saque não é obrigatória. Porém, se o trabalhador optar pela mudança só poderá retornar ao modelo atual após 25 meses. Ou seja, se for demitido neste período, não poderá resgatar o saldo total do FGTS.

Considerada uma poupança forçada, o fundo tem saldo corrigido pela TR (Taxa Referencial) mais 3% de juros ao ano, além de distribuição de 50% dos lucros. A partir do ano que vem, a distribuição dos lucros passará a ser de 100%, conforme medida provisória.

O saldo do FGTS vem sendo corroído pela inflação ao longo dos anos. Segundo o professor José Dutra Vieira Sobrinho, se, em 1º de julho de 1994, o trabalhador tivesse R$ 1.000 de FGTS, o saldo total hoje seria de R$ 6.060. 

Comparando com a poupança, a modalidade mais tradicional de investimento no país, nestes 25 anos, o saldo seria de R$ 12.924.

Apesar do baixo rendimento, se não for para quitar uma dívida importante, o conselho de especialistas é não optar pelo saque anual. "A diferença mensal de rendimento com a poupança é tão pequena que não compensa", afirma o economista e diretor da Facamp, Rodrigo Sabbatini. "Se pudesse sacar o integralmente o valor e investir, valeria a pena", diz.

Dívidas

Pagar dívidas é a sugestão unânime dos especialistas em finanças para quem optar por sacar o FGTS. Com dinheiro na mão, o trabalhador pode negociar juros mais baixos com o credor.

"Como o pagamento vai ser feito à vista, deve-se negociar para obter desconto razoável no saldo devedor. Caso não tenha dívidas, deve-se procurar antecipar pagamentos de cursos ou outras atividades com débito programado para os próximos meses, desde que sejam concedidos descontos atrativos", diz o coordenador do MBA de Gestão de Financeira da Fundação Getulio Vargas (FGV), Ricardo Teixeira.

"Liste tudo o que você deve em cartões de crédito, cheque especial, carnês, boletos, empréstimos e financiamentos. Procure negociar diretamente com as instituições credoras. Vale a pena pesquisar antes no mercado as condições oferecidas e escolher a mais vantajosa", orienta Teixeira.

FUNDO DE GARANTIA | VALE A PENA SACAR TODO ANO?

  • Além da grana do FGTS que poderá ser retirada entre setembro de 2019 e março de 2020, o trabalhador poderá optar por sacar os valores todos os anos
  • A medida foi batizada pelo governo de saque-aniversário

Como vai funcionar?

  • A partir de outubro, o trabalhador vai informar a Caixa se quer aderir à nova modalidade de retirada do fundo
  • Quando fizer a escolha, seja pelo saque anual, seja por continuar como está, o trabalhador não poderá mudar durante um período de dois anos
  • Ao optar pelo saque-aniversário, o trabalhador perde o direito aos valores na demissão
  • A retirada terá limitação de acordo com o saldo do trabalhador
  • Quando menos ele tiver no Fundo de Garantia, maior será o percentual que poderá sacar

Quando compensa?

Para quitar dívidas 

  • A medida vale se o dinheiro der para pagar tudo e tirar o trabalhador do vermelho
  • Se o valor servir para pagar só uma parte das dívidas, o ideal é não fazer o resgate anual

Em caso de desemprego

  • Quem está desempregado e tiver dinheiro no fundo deve fazer o saque anual se estiver endividado ou precisar de grana para a sobrevivência
  • O dinheiro não deve ser visto como mais uma renda para consumo

​Para o trabalhador recém-contratado

  • Quem foi contratado recentemente ou acabou de entrar no mercado de trabalho deve fazer o saque anual
  • Mas isso só vale se o objetivo for fazer investimentos com rentabilidade superior à do FGTS

Outras situações

  • Quem utilizou recentemente o FGTS para a casa própria deve sacar, pois terá pouco no fundo
  • Trabalhadores que, de alguma forma, têm estabilidade no emprego
  • Quem não pretende usar o valor para financiar casa

Onde investir?
Compare os rendimentos de um valor R$ 1.000, em um mês*

Poupança  
Valor bruto: R$ 1.003,89
Valor a ser sacado: R$ 1.003,89
Não há cobrança de IR (Imposto de Renda)

CDB 100% do CDI 
Valor bruto: R$ 1.005,43
Valor líquido: R$ 1.004,21
Considerando IR de 22,5% e isenção de taxas da corretora

Tesouro Selic 2025  
Valor bruto: R$1.004,65
Valor líquido: 1.003,43
Considerando R$ 0,22 de taxa de custódia e 22,5% de alíquota do IR

*Os dados têm como base extrações realizadas com as taxas vigentes em 25 de maio deste ano

Fontes: Aplicativo Renda Fixa; José Dutra Vieira Sobrinho, matemático financeiro; e Rodrigo Sabbatini,  economista, professor, consultor e diretor da Facamp (Faculdades de Campinas)

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.