Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitora quer negociar valores com Crefisa

Professora afirma que empresa ofereceu desconto, mas não o colocou no contrato; veja outras reclamações

Laíssa Barros Havolene Valinhos
São Paulo

A professora Núbia Maria de Lima, 51 anos, do Rio Bonito (zona sul), conta que está tentando há um mês negociar os valores de um empréstimo que fez com a Crefisa, mas, até hoje, não obteve sucesso. 

“Combinamos que eu pagaria R$ 8.267,88 em 12 vezes e que, caso eu conseguisse adiantar o pagamento, receberia um desconto na parcela do mês, mas não foi o que aconteceu. Descobri que essa opção ficou só no boca a boca e não foi colocada no contrato, por isso a empesa está negando o desconto”, queixa-se a leitora ao Agora.

Segundo Núbia, sem o abatimento nas parcelas, ela não consegue quitar os valores mensais. “Pensei que receberia o desconto e aceitei a proposta, mas sem ele não consigo pagar. Pedi para a Crefisa avaliar meu caso, mas nunca tive resposta. Quero pagar, porém preciso que as parcelas tenham um valor menor. Espero que com a ajuda do Agora meu pedido seja, finalmente, ouvido pela empresa”, diz a professora.

Professora afirma que empresa ofereceu desconto, mas não o colocou no contrato - Gabriel Cabral/Folhapress

Empresa de crédito pessoal faz acordo  

A Crefisa informa, por meio de nota, que celebrou um acordo com a leitora. Em novo contato com o Agora, Núbia confirmou a negociação. “Além de diminuírem as parcelas, me deram um desconto no valor total da dívida. Muito obrigada, Defesa, sem vocês eu não teria conseguido”, disse a leitora. 

Outras reclamações 

Net 

O aposentado Romano Zavalloni, 71 anos, do Butantã (zona oeste), conta que pediu para que um técnico da Net fosse até sua casa verificar seu controle e, depois disso, foi surpreendido com uma cobrança de R$ 90 pelo serviço em sua fatura. “O funcionário da Net não ficou nem cinco minutos na minha casa. Nunca vi ninguém cobrar por uma visita técnica. Não vou pagar”, diz o leitor. 


Resposta 

A Net informa, em nota enviada por assessoria, que fez os ajustes necessários na fatura leitor.

Claro

A aposentada Antônia Máximo, 73 anos, do Jardim Nakamura (zona sul), afirma ter um plano da Claro, mas não consegue fazer nenhuma ligação onde mora. “A linha não funciona aqui, apenas há sinal quando saio da minha região.” A leitora relata que já reclamou e foi informada que o caso seria analisado, mas, até o momento, não foi resolvido. 


Resposta 

A Claro informa que está em contato com a cliente para finalização do caso.


Vivo 

O aposentado Celso Valio Machiaverni, 82 anos, do Jardim Petrópolis (zona sul), reclama que a operadora liga mais de três vezes por dia para ele oferecendo promoções. “Não quero receber esse tipo de ligação. Me ligam no fixo, no celular e também mandam mensagem de texto”, diz. 

Resposta 

A Vivo informa, em nota, que o cadastro do cliente foi incluído na blacklist da Vivo, em que a linha não recebe contato da operadora para oferta de serviços e promoções.

Submarino 

"comprei no site do Submarino um fone de ouvido de presente de aniversário para o meu filho e a empresa ficou de entregar o produto até dia 19 de agosto, mas, até hoje, o fone não chegou. Todas as vezes em que tentei falar com eles, fui mal atendido e não recebi nenhuma resposta. Lamentável!", diz Osiris Francisco de Souza, 50 anos 


Resposta

O Submarino.com informa que providenciou o reenvio do produto e pede desculpas. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.