Descrição de chapéu Defesa do Cidadão

Leitor quer cancelar serviço funerário

Aposentado assinou contrato no valor de R$ 4.161,85, mas se arrependeu; empresa cobrará multa de R$ 600 para cancelar

São Paulo

O aposentado Geraldo Bessa Esteves, 87 anos, de Cidade Ademar (zona sul), conta que, há semanas, tenta cancelar um plano funerário com a Ossel Assistência Funerária. Porém, ele reclama que a empresa quer cobrar uma multa de R$ 600 pela quebra de contrato. O plano foi contratado no dia 3 do mês passado.

O filho do aposentado, o motorista de ônibus Fábio Bessa Esteves, 42 anos,  acredita que houve má-fé por parte do vendedor, que convenceu seu pai a fechar o plano e parcelar o total no cartão de crédito: R$ 4.161,85, em 12 vezes.

O aposentado Geraldo Bessa Esteves, 87 anos, de Cidade Ademar (zona sul), tenta desistir do plano contratado no dia 3 de outubro, mas afirma que o pedido não é atendido e a empresa quer cobrar multa
O aposentado Geraldo Bessa Esteves, 87 anos, de Cidade Ademar (zona sul), tenta desistir do plano contratado no dia 3 de outubro, mas afirma que o pedido não é atendido e a empresa quer cobrar multa - Martha Salomão/Folhapress

“Meu pai está muito velho e nem sempre consegue tomar boas decisões. O vendedor aproveitou que eu não estava presente e fechou a venda, mas não era o desejo real do meu pai, tanto que ele entendeu depois o que fez e quis voltar atrás, porém, agora, querem cobrar uma multa. Não sabemos mais o que fazer. É uma dívida de quase R$ 350 por mês durante um ano. Estamos inconformados”, reclama o leitor à reportagem.

De acordo com o motorista, a empresa se recusa a fazer o cancelamento e o estorno do valor. 
“Está um empurra-empurra muito grande. Meu pai não tem condições de resolver sozinho nem a gente está conseguindo convencer a empresa de que a venda não foi feita de forma justa. Por isso, pedimos a intervenção do Defesa do Cidadão”, afirma.

Ossel: (11) 4992-8989

Empresa diz que mantém multa

A Ossel informa que o titular fez o contrato e sua esposa assinou como testemunha. A empresa diz ainda que, ao entrar em contato, o cliente foi informado de que deveria comparecer pessoalmente à unidade para realizar o cancelamento e pagar a multa, uma vez que para a devolução integral deveria ter feito a solicitação até sete dias após a assinatura do contrato, no dia 3 de outubro, mas ele contatou a empresa só no dia 29.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.