Descrição de chapéu Coronavírus Folhajus

Idec pede ampliação da suspensão do reajuste dos planos de saúde

Órgão de defesa do consumidor quer que ANS adie alta nos convênios seja retroativo, com validade a partir de março

Fábio Munhoz
São Paulo

O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) enviou ofício à ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) cobrando a ampliação da suspensão dos reajustes nos contratos de planos de saúde. A instituição defende o cancelamento dos aumentos desde março, quando começou a pandemia, e não a partir de setembro, conforme anunciado pela agência reguladora na semana passada.

Pela decisão da ANS ficam proibidos os reajustes entre os meses de setembro e dezembro, em razão dos efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus. As regras preveem que, para os planos coletivos por adesão e para os empresariais com até 29 vidas, as correções aplicadas antes de setembro devem ser suspensas.

Por exemplo: um cliente pagava R$ 100 por mês e, em agosto, passou a pagar R$ 120. Por causa da decisão da ANS, esse consumidor voltará a pagar R$ 100 entre setembro e dezembro. Em janeiro, a operadora poderá voltar a cobrar os R$ 120.

No ofício enviado à ANS, o Idec pede que a suspensão seja retroativa e comece a valer a partir de março. "Os consumidores que receberam reajustes a partir de março foram onerados excessivamente, tendo sua capacidade de pagamento comprometida, enquanto as operadoras lograram uma significativa economia de despesas, não sofrendo qualquer impacto decorrente da pandemia", diz a notificação.

A instituição considera como "imprescindível que a suspensão inclua os meses iniciais da pandemia". O Idec reivindica ainda que também sejam suspensos os reajustes dos planos empresariais com 30 vidas ou mais. A ANS definiu que, nesses casos, as correções que forem definidas até o dia 31 de agosto poderão ser mantidas.

Segundo o Idec, o objetivo do pedido é garantir que os consumidores sejam tratados o princípio da isonomia, ou seja, que todos sejam "beneficiados de maneira igualitária pela decisão reguladora", conforme garantido pela Constituição Federal e pelo Código de Defesa do Consumidor.

Por fim, o instituto pede que a agência de Saúde informe de maneira mais clara como fica a situação dos clientes que já tiveram reajuste por faixa etária.

Insegurança judicial

Especialistas avaliam que, caso a ANS mantenha a decisão de suspender os reajustes somente a partir de setembro, haverá possibilidade de judicialização do caso. Ou seja, os consumidores que já receberam o aumento em seus contratos vencidos nos meses anteriores de 2020 poderão procurar a Justiça para reivindicar que a suspensão seja aplicada retroativamente a partir de março, quando teve início a pandemia da Covid-19.

Ex-secretário nacional de Defesa do Consumidor e professor da Faculdade de Direito de São Bernardo, o advogado Arthur Rollo considera que, se o reajuste for suspenso somente para os contratos com vencimento a partir de setembro, a situação fere o princípio da igualdade, previsto no Código de Defesa do Consumidor.

"Essa suspensão deveria ter sido feita logo no início da pandemia", avalia Rollo. O especialista afirma que, em um primeiro momento, o consumidor que já foi reajustado deve tentar solucionar o problema administrativamente, em contato com a própria operadora do plano de saúde. Caso as tratativas não tenham resultado, a solução é procurar a Justiça pelo Juizado Especial Cível - antes chamado de Juizado de Pequenas Causas.

A advogada Ana Carolina Navarrete, coordenadora do programa de Saúde do Idec também defende que a suspensão deve ser válida para todos os contratos vencidos desde o início da pandemia. Na opinião dela, ainda não estão claras as condições para o adiamento dos reajustes.

"Como a justificativa para a suspensão foi a pandemia, entendo que os clientes com contratos vencidos até setembro e que tiveram aumentos impostos podem cobrar a devolução administrativamente ou, caso a operadora se recuse, judicialmente", comenta o advogado Tiago Moraes Gonçalves, especialista em seguros do escritório Ernesto Tzirulnik Advocacia.

O chefe de gabinete do Procon-SP, Guilherme Farid, afirma que o órgão ainda está avaliando a decisão da ANS para avaliar se abre ou não um processo administrativo para cobrar esclarecimentos da agência reguladora e das operadoras dos planos de saúde.

"O que estamos avaliando internamente é se esses motivos que determinaram agora a suspensão são os mesmos que poderiam ter sido aplicados anteriormente [no início da pandemia]. Onde existe uma mesma razão de fato existe a mesma razão de direito", diz Farid.

Sequência de aumentos

De 2017 a 2019, os planos de saúde no Brasil tiveram alta de 36,61%. O percentual é mais do que o triplo da inflação acumulada no mesmo período, que foi de 11,41%, segundo o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Resposta

Por meio de nota, a ANS diz que "vem monitorando os impactos da pandemia e tem feito todos os esforços para implementar medidas capazes de preservar tanto a assistência ao beneficiário de plano de saúde quanto a sustentabilidade e o equilíbrio do mercado".

A agência afirma que tem estimulado entre as operadoras práticas de negociação e de flexibilização para o pagamento das mensalidades. "É importante lembrar que, no início de abril, a ANS propôs às operadoras um acordo", diz a nota, no qual seriam garantidas vantagens às empresas, desde que houvesse "a renegociação de contratos com beneficiários de planos individuais ou familiares, coletivos por adesão e coletivos empresariais com menos de 30 vidas que estivessem com dificuldades para manter o pagamento do plano. Nove operadoras assinaram o Termo de Compromisso", diz a ANS.

"Em relação à suspensão dos reajustes, a reguladora esclarece que é uma medida excepcional que visa à manutenção dos contratos de planos de saúde durante esse período em que muitos usuários - especialmente os mais vulneráveis - estão enfrentando dificuldades financeiras por conta da pandemia do novo coronavírus."

Já a FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar), que reúne as maiores empresas do setor, diz que, desde o último dia 21 suas associadas "começaram a se preparar para cumprir o que determina a decisão da ANS, garantindo a seus beneficiários a suspensão de reajustes das mensalidades entre setembro e o fim deste ano".

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.