Descrição de chapéu Centro

Escola recebe equipamento com defeito para cadeirantes

Carro escalador para levar alunos aos andares superiores não funcionou em colégio da Bela Vista

Mariangela de Castro Aline Mazzo
São Paulo

A alegria dos alunos cadeirantes da Emef (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Celso Leite Ribeiro Filho, na Bela Vista (centro), durou pouco. Após o secretário municipal da Educação, Bruno Caetano, visitar o colégio na última terça-feira (25) e prometer que seria entregue naquele mesmo dia um novo carro escalador, o equipamento foi entregue, mas não funcionou. 

Novo carro escalador veio de outra escola ao colégio da Bela Vista, sem cabo e sem funcionar - Arquivo Pessoal

O secretário foi até a escola após o Agora publicar reportagem nesta terça (24) mostrando que os alunos cadeirantes têm ficado no pátio isolados dos colegas porque o equipamento, que os leva aos andares superiores pela escada, não funcionava desde o início do ano. 

Segundo pais de alunos e funcionários, o novo carro chegou à escola sem o cabo de energia. 
O Agora teve acesso ao email que a diretora da escola enviou à Secretaria Municipal da Educação, da gestão Bruno Covas (PSDB), neste mesmo dia avisando sobre o problema e pedindo treinamento para quem iria manipular o equipamento. 

O estudante Luan de Araújo, 12 anos, ao lado da avó, Stela Alves da Silva, 68; sem subir à sala de aula, garoto diz que não conhece colegas de sua classe na escola municipal da Bela Vista (centro), segundo ela - Rivaldo Gomes/Folhapress

No dia seguinte, segundo relatos de pais e funcionários, um técnico foi à escola com um novo cabo de energia, mas o equipamento não ligou. “Nos disseram que faltavam peças e o carrinho foi levado para a fábrica para fazer manutenção”, disse uma mãe de aluno. 

“A gente achou que depois da visita do secretário, estava tudo certo. Mas os alunos ainda não conseguiram chegar às salas de aula”, disse outra mãe, que também pediu anonimato.

Em visita à Emef, o secretário Bruno Caetano afirmou que o carro escalador que estava quebrado já poderia ter sido consertado, pois a escola tinha R$ 30 mil em caixa. Além disso, ele prometeu que em 90 dias iniciaria obra para colocação de elevadores e rampas no colégio. 

Além da falta do carrinho escalador, o Agora mostrou que a Emef tinha outros problemas de acessibilidade, como degraus na entrada da sala de recursos multifuncionais, que acabou de ser reformada e seria usada pelos alunos deficientes, e as barras de apoio irregulares no único banheiro adaptado na escola.

Resposta

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, gestão Bruno Covas, afirma que conforme dito pelo secretário municipal de Educação, Bruno Caetano, na terça-feira (24), o carro escalador foi deslocado de outra Diretoria Regional de Educação para a Emef Celso Leite Ribeiro Filho e chegou no mesmo dia.

“O carrinho escalador foi remanejado, já que estava sem demanda de uso em outra região da cidade. Por ter passado por um período desligado, a bateria foi avaliada pela empresa fabricante, que instruirá os funcionários sobre a utilização do equipamento”, diz a nota.

“Ainda conforme entrevista concedida pelo secretário Bruno Caetano, essa ação é paliativa já que outras ações de acessibilidade serão implementadas”, afirma a nota

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.