Descrição de chapéu Zona Oeste

Fenda em ciclovia da zona oeste de SP provoca acidente de usuário

Ciclista quebrou três dentes depois de queda ao encaixar pneu no buraco

Elaine Granconato
São Paulo

Uma fenda suficiente para encaixar o pneu de uma bicicleta resultou nos três dentes quebrados, na mobilização da mão esquerda por três semanas e no afastamento do trabalho por 14 dias de Bruno Guedes, 24 anos, que se acidentou na ciclovia central da avenida Eliseu de Almeida, altura do 432, Butantã (zona oeste), por volta das 8h15 desta quarta-feira (18).

"Só sei que o pneu da frente travou na vala e me jogou pra frente. Dei uma voada", contou Guedes em casa, após passar cerca de cinco horas no Pronto-Socorro Municipal Dr. Caetano Virgínio Neto, no Butantã. Uma unidade de resgate do Corpo de Bombeiros foi acionada.

Formado em rádio e televisão, o jovem utiliza a ciclovia diariamente para ir ao trabalho. Sai do Jardim Maria Rosa, Taboão da Serra (Grande São Paulo), com destino a estação do metrô Butantã, onde descansa sua bike. "Não é de hoje que existia aquela fresta na ciclovia", disse ele que afirma ter "caído feio pela primeira vez".

O jornalista Luis Guidi, 45 anos, chegou ao ponto do acidente, quando Guedes já estava no chão. "A fresta está ali, ao menos, seis meses, como existem outras perigosas ao longo da ciclovia e eu gravei em vídeo", disse Guidi.

A ciclovia, que possui 5,2 km, foi construída sob o córrego Pirajussara, um dos motivos para as placas de concreto. Às 10h desta quarta-feira (18), funcionários da prefeitura foram fechar a vala que provocou o acidente. Procurada, a gestão Bruno Covas (PSDB) não disse quando fez a última manutenção na ciclovia.

Resposta

Em nota, a Prefeitura de São Paulo, sob gestão Bruno Covas (PSDB), afirma que iniciou obras de requalificação das ciclofaixas da cidade. “Os trabalhos preveem raspagem do asfalto antigo e a aplicação de uma nova camada asfáltica. Após o recapeamento, é implantada a nova sinalização, que prevê pintura em vermelho aplicada apenas na aproximação das travessias, proporcionando maior atenção dos ciclistas aos cruzamentos.” 

A pasta também diz que “após pintura com o novo padrão de sinalização, serão instalados tachões a cada metro, o que garante mais segurança aos usuários”.

“Hoje, a cidade conta com 503,6 km de infraestrutura cicloviária. Desse total, 310 km passarão por melhorias, conforme o plano de metas da prefeitura, que prevê também a implantação de 173 km de conexões, com verba total de R$ 325,7 milhões para o biênio 2019/2020”, diz a gestão municipal. “Vale destacar que integra o Programa de Metas da Prefeitura um novo Plano Cicloviário, que será apresentado em breve. O objetivo é justamente melhorar a qualidade e fazer a conexão entre as ciclovias e ciclofaixas já existentes entre si e com os terminais de ônibus e estações de metrô e trens.” 

A prefeitura também diz que a subprefeitura Butantã realizou o fechamento do vão citado pela reportagem.
 

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.