Aproximação de suspeito de matar menina de 9 anos começou há 6 meses

Primo da vítima diz que os dois começaram a ficar mais próximos em cultos de uma igreja

Alfredo Henrique
São Paulo

O garoto suspeito de ter matado Raíssa Eloá Capareli Dadona teria começado a se aproximar da menina cerca de seis meses antes do crime. Parentes da criança dizem que ela demorava para ganhar confiança em pessoas estranhas por ser autista.

Um adolescente de 12 anos, internado provisoriamente desde a madrugada desta terça-feira (1) em uma unidade da Fundação Casa, confessou o crime. A criança estava domingo (29) à tarde com sua mãe em uma festa no CEU (Centro de Educação Unificada) Anhanguera, na região de Perus (zona norte), quando desapareceu. Seu corpo foi encontrado cerca de uma hora depois amarrado em uma árvore no parque Anhanguera. 

A menina Raíssa Eloá Caparelli Dadona, 9 anos, foi encontrada morta na tarde deste domingo (29) no parque Anhanguera, na região de Perus, Zona Norte de São Paulo, após desaparecer em uma festa em um CEU (Centro Educacional Unificado) - Reprodução

Segundo um primo de Raíssa, o mercadólogo Luís Caparelli, 29 anos, o adolescente começou a ficar mais próximo da criança quando ela passou a frequentar com a mãe cultos de uma igreja evangélica no Morro Doce (zona norte), onde moram as duas famílias - elas residem próximas.

"Meu irmão acompanhava mais a Raíssa. Ele me falou que o menino abordava minha prima em encontros da igreja", afirmou.

Além de morarem próximos, os dois também estudavam na mesma escola, segundo a polícia.

Rosmari Capareli, tia da criança, disse na segunda-feira que estranhou ao ter visto na televisão Raíssa andando de mãos dadas com o garoto, segundo imagens de uma câmera de segurança da estrada de Perus. "Dá para ver que ela não tem uma marcha normal", afirmou a tia da menina.

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.