Bombeiros encontram corpo de menino que caiu em córrego da zona leste de SP

Criança de 7 anos caiu em galeria quando foi pegar bola durante brincadeira com amigos

Alfredo Henrique
São Paulo

Após mais de 20 horas de buscas, os bombeiros encontraram por volta das 12h50 desta quarta-feira (30) o corpo de Miguel Henrique da Silva Miranda, de 7 anos. A criança desapareceu, por volta das 13h30 desta terça-feira (29) após cair em uma galeria d'água na região de São Mateus (zona leste da capital paulista). 

Segundo o capitão Marcos Palumbo, porta-voz dos bombeiros, o corpo do menino ficou preso sob as águas em um ponto de remanso do córrego, com profundidade de cerca de 50 centímetros, a poucos metros de distância do local de onde ele teria caído.

“As testemunhas não viram o menino passar por este ponto, que é raso, depois de cair na água. Por isso, concentramos nossas buscas no local onde o menino caiu no córrego.”  

O corpo de Miguel Henrique da Silva Miranda, de 7 anos, foi encontrado pelos bombeiros por volta das 12h50 desta quarta-feira (30), a poucos metros do local onde ele caiu em um córrego após ir atrás de uma bola, quando brincava com amigos na região de São Mateus (zona leste da capital paulista) - Arquivo Pessoal

O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 15h30 de terça, quando começou a vasculhar o córrego para encontrar Miguel. Por volta das 12h50 desta quarta, o corpo do menino emergiu, sendo visto por bombeiros e pelo pai do garoto, que não teve a identidade informada.

“Quando o corpo emergiu, o pai dele correu e entrou nas águas. Essa é uma situação difícil. A gente compreende a comoção do pai e da família. Fizemos todo o acompanhamento até encontrar o menino”, acrescentou o capitão. 

Palumbo disse ainda que, apesar de o bote dos bombeiros ter sido retirado das águas quando escureceu, uma equipe permaneceu toda a noite e a madrugada às margens do córrego. A causa preliminar da morte de Miguel é afogamento. O corpo dele será analisado para oficializar a causa da morte.

Os bombeiros deslocaram cinco viaturas à rua Francisco Melo Palheta, na tarde de terça. A corporação realizou buscas e varreduras nas águas durante toda a tarde , mas sem encontrar o garoto. 

A mãe do garoto, a autônoma Dilma Silva Rodrigues, 33 anos, afirmou que o filho saiu para brincar com amigos pela manhã. "Na rua tem um monte de molecada e um dos meninos chamou meu filho para ir brincar perto do piscinão. Eu falei para ele não demorar, pois tinha que tomar banho para ir para a aula", afirmou nesta terça-feira ao Agora

Por volta das 13h30, Dilma se incomodou com a demora do filho. Ela perguntou a uma conhecida onde as crianças estavam, mas a colega não soube informar. Cerca de dez minutos depois, um amigo de Miguel procurou Dilma. "O menino chegou gritando que o Miguel tinha morrido afogado, que ele tinha caído no córrego. Os amigos viram ele afundando e ninguém conseguiu ajudar. Saí correndo desesperada no meio da rua", afirmou. 

Dilma acrescentou que, por não saber nadar, o filho ia poucas vezes brincar perto do piscinão, por orientação da própria mãe.

Além de Miguel, a autônoma tem mais três filhos de 5, 2 e 1 ano.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.