Filha de casal morto carbonizado no ABC trocou chip de celular antes do crime

Polícia pediu quebra de sigilo telefônico à Justiça

São Paulo

Ana Flávia Menezes Gonçalves, 24 anos, suspeita de envolvimento da morte dos pais e do irmão, encontrados carbonizados no carro da família em São Bernardo (ABC), na última terça-feira (18), trocou o chip de seu celular dias antes do crime. A polícia pediu à Justiça a quebra de sigilo telefônico da filha do casal. 

Ana Flávia e a namorada, Carina Ramos, 31 anos, foram presas na quarta-feira (29), após a polícia apontar contradições no depoimento das duas e imagens de câmeras de monitoramento mostrarem que ambas estavam no condomínio da família antes do crime

Ana Flávia Menezes Gonçalves, 24 anos (à esq.) e Carina Ramos, 26, presas na quarta-feira (29/01) em São Bernardo do Campo (ABC). Elas são suspeitas de envolvimento no assassinato do comerciante Romuyuki Gonçalves, de mulher dele, Flaviana Gonçalves, e do filho Juan Gonçalves, no último dia 28. - Instagram

Segundo laudo preliminar, Romuyuki Gonçalves, sua mulher Flaviana, e o filho Juan, 16 anos, foram mortos com pancadas na cabeça antes de serem encontrados carbonizados no porta-malas do carro da família, na divisa entre Santo André e São Bernardo. 

A polícia já identificou outros dois suspeitos do crime. Seriam dois homens, um deles com cerca de 1,90 m de altura. Segundo testemunhas, ele foi visto com Ana Flávia e a namorada na frente da casa da família na noite do crime. Nenhum deles havia sido localizado até a publicação desta reportagem. 

Na manhã desta sexta-feira (31), um sobrinho de Flaviana foi ao COI (Centro de Operações Integradas) de São Bernardo falar com a polícia. Questionado se mais algum parente estaria envolvido no crime, ele afirmou: "Por enquanto, a gente não sabe".

A Justiça decretou sigilo no caso.

Erramos: o texto foi alterado

A versão anterior deste texto informava incorretamente a idade de Carina Ramos, que tem 31 anos

Assuntos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.